27/11/2021

Coluna Thaís Navarro: My ID is Gangnam Beauty

Parei para pensar!
“my ID is Gangam beauty” Qual é o papel social do vilão?

*Esse texto possui spoilers moderados do drama My ID is Gangnam Beauty.

Já começo a escrever ciente, que se tem alguém que foi odiado nessa trama, sem dúvida alguma foi a personagem Soo Ah, interpretada pela atriz Jo Woo Ri. E eu a odiei também, não pude evitar.

O tema do drama é claramente criticar o padrão de beleza coreano, que recorre à cirurgias dolorosas que fabricam rostos tão semelhantes e padronizados que mais parecem ter saído de uma forma. Essa busca pela beleza é tão surreal que se torna a identidade de alguém após a cirurgia plástica.

Eu poderia falar sobre outros personagens, afinal um drama sobre padrões de beleza, a busca pela identidade, violência doméstica e bullying, feitos pela JTBC, com certeza nos deixa muito o que pensar.
Contudo, é justamente por tratar desses assuntos, que não podemos deixar de lado a antagonista e simplesmente odiá-la, sem antes tentar entender o seu papel no drama. Como foi que ela chegou nesse comportamento? Vamos dar uma chance para a sua versão dos fatos?

Soo Ah é linda. Beleza natural, sem nenhum procedimento estético ou tratamento de beleza. Além de um rosto bonito e atrativo ela também é magra e é considerada fofa. Pelo menos a primeira vista, porque ninguém consegue suportá-la depois de um certo tempo de convívio.
Me perdoe os haters, mas na minha opinião o drama foi tão dela quanto da protagonista. Foi de extrema importância mostrar que um rosto bonito não significa que a pessoa é boa e que a beleza pode facilitar a vida mas também pode dificultar as coisas.
Tivemos cenas de bulimia, causadas por uma jovem que se dizia capaz de comer muito, mas que devido ao metabolismo, não engordava nada. Isso causava muita inveja em outras meninas, que não entendiam como Soo Ah tinha tantas qualidades e características ‘naturais’ que a ajudavam a estar dentro dos padrões de beleza. Fato é, que até mesmo remédio para emagrecer Soo Ah tomava, além de se pesar constantemente.

Ela causava bullying constantemente, usando métodos passivo-agressivo, alternando o papel de vítima com o papel de agressora, se passando por amiga, mas dando em cima de seu namorado em seguida, atitudes decorrentes de uma busca gigantesca por protagonismo, atenção e amor.

A ilusão causada pelo padrão de beleza, capaz de destruir uma pessoa, de dentro para fora, no caso de Soo Ah parecia se alimentar da insegurança de outras garotas. Ela se sentia maior ao ver outras diminuídas. Sentia uma necessidade insana de ser amada.

O que chama atenção é que ela já sofreu tudo isso quando criança e ao que tudo indica foi abandonada em condições terríveis. Não tinha o que comer ou mesmo como tomar banho e outros cuidados de higiene, e o principal, não recebeu amor nem cuidados de uma família. Ao tratar a própria avó com tanto desprezo, não podemos apenas critica-la sem tentar entender o motivo de tanto rancor e mágoa. Soo Ah, apesar de nos dar nos nervos, na verdade, é fruto do bullying. É o resultado de uma agressão da sociedade em geral, não isentando ninguém da culpa.

Em geral, os vilões do cinema e da tv nos proporcionam uma visão sobre a dualidade da sociedade em que vivemos. Eles possuem um lado sedutor e procuram, com o seu charme pessoal, transgredir as fronteiras da moral da vida cotidiana.

Diante disso não há como negar a importância desse papel no roteiro, afinal a Soo Ah precisava de amor-próprio tanto quanto Mi Rae (Im Soo Hyang). Ela nos irrita e esse é seu objetivo, tocar na ferida e fazer arder.

Em momento algum o que ela faz se torna justificável, mas entendê-la como vítima do sistema é também um exercício de empatia e nos dá uma visão mais ampla do problema, pois de trata de um ciclo, uma corrente que precisa ser quebrada.

E não existe cirurgia para a psique. Sendo assim, é bom lembrar que até na regra de ouro, cada um deve tratar os outros como gostaria que ele próprio fosse tratado. Atenção ao termo ‘ele próprio’. Então, se trate bem e se ame, para retribuir isso a outros também. Não podemos oferecer o que não temos, da mesma forma que não podemos cobrar da Soo Ah por algo que ela não tinha.

E não deixe de nos contar, o que achou do fim que esse personagem teve?

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: