20/10/2021

Coluna Thaís Navarro: Argon

Parei para pensar! “Argon: Até que ponto são inofensivas as famosas “Fake News”?”

*Esse texto possui spoiler do primeiro episódio de Argon.

Antes de começar, preciso lembrar desse drama de jornalismo investigativo que é injustiçado nessa comunidade dorameira. Argon tem um conteúdo muito bom, personagens interessantes e mostra o dia a dia de repórteres, equipe de reportagem e transmissão de telejornal. Passei a valorizar meus jornais favoritos depois desse drama. Além disso, os atores são excelentes e os episódios possuem muita qualidade. Merece o selo de maratona fácil!

Mas o que me levou a escrever essa semana sobre esse drama?

Nessa época de fake news, checagem dos fatos virou raridade. Nem preciso falar muito sobre o que são fake news porque como brasileiros já sabemos bem. Porém, qual o impacto da notícia falsa para gerar repercussão?

Dias atrás conversava com uma amiga sobre páginas, no Facebook mesmo e às vezes no Instagram, que publicam rumores como se fossem notícias.

Por exemplo, quando há suspeita de atores que contracenaram juntos estarem em relacionamento, essas fontes postam que o casal foi confirmado e horas depois já saem notícias que a informação não passava de boato.

Porém, muitas pessoas que leram a notícia falsa não vão ler sobre a real verdade, já que esta não tem a mesma repercussão. Triste não é?

Em Argon, logo no primeiro episódio, nos deparamos com a notícia de que um shopping desabou e que a culpa era do mestre de obras responsável pela manutenção e reforma do prédio. O jornal da noite noticiou isso sem nem mesmo checar, com base nas especulações tiradas no local, visto que não encontraram o engenheiro. Notícia trágica e sensacionalista que como resultado dá muita audiência!

Então no jornal da madrugada, que tem o nome de Argon, eles não conseguem fazer a mesma manchete.

Primeiro porque a equipe de reportagem, chefiada pelo protagonista, é muito mais responsável e vai atrás de mais informações, até mesmo sobre quem era esse mestre de obras e busca informações sobre sua família. Nesse momento a repórter do Argon, presencia até mesmo uma turba violenta que ataca a esposa e a filha do mestre de obras jogando ovos e outras coisas nelas, além de muito xingamento.

Tamanha é a repercussão de uma notícia que gerou ódio na população, porque um suposto homem foi responsável pela morte de pessoas inocentes. Quando mais a repórter descobre informações sobre a vida do mestre de obras e sobre seu caráter menos ela acredita que ele tenha sido responsável.

A busca por checagem dos fatos continua e encontram um vídeo onde o mestre de obras ajuda pessoas a fugir do desabamento. Também horas depois confirmam que encontraram o corpo do mestre de obras nos destroços. Ele não fugiu. Ele tentou ajudar outros e também foi vítima.

Então quem é o real culpado? Será que essas fake news não estariam escondendo uma verdade dolorosa? E por qual motivo o shopping desabou?

Como isso afetou a vida da família enlutada do mestre de obras, afeta a vida de todas as vítimas de notícias falsas. Cabe a nós, checarmos se o que estamos lendo possui veracidade antes de sair compartilhando. Estamos pensando na pessoa envolvida em uma notícia?

Ainda nesse episódio, o pessoal de Argon tem dificuldade em publicar a notícia verdadeira porque o jornal da noite, o mesmo que noticiou a fake news é da mesma emissora que eles, então a treta toma outras proporções.

Vale a pena descobrir como isso vai se resolver!

No drama a situação envolvia pessoas e mortes, logo você pode pensar que notícias falsas postadas em páginas inofensivas do facebook não atingem as pessoas. E isso não está correto!

Essas notícias falsas acabam gerando desconforto em pessoas que gostam de tal ator ou cantor. Você, ao compartilhar algo falso e sabendo disso, está indiretamente contribuindo para o mal-estar de um ser humano. Não acredito que isso seja moralmente aceitável.

Além disso, muitas páginas utilizam de perfis falsos para publicar essas notícias.

Se muitos não se importam em se expor com o seu perfil real como vão se importar com a veracidade da informação?

Lembrando que aqui no site das Coreanas de Taubaté e nas outras redes sociais, sempre prezamos informações verdadeiras e de alta qualidade. As fontes sempre são checadas e mesmo que em outras línguas, inclusive o coreano, o material é sempre revisado antes de ser postado.

Aqui, não estamos com perfis fakes. Somos pessoas reais que publicam com perfis reais. Como tudo na vida, há um preço a se pagar. Sabemos que a exposição é maior, mas confiamos no nosso trabalho, no nosso conteúdo, e principalmente, temos responsabilidade e pensamos no bem-estar do próximo.

Esse ano houve um alvoroço lá na Coreia com relação a alguns idols. Uma página estava compartilhando muito conteúdo sobre o assunto na maioria das vezes sem checar. Em certos momentos, postava até que x ou y tinha sido preso, mas não era nada disso. E essa página tem muitos seguidores. Sem perceber, ou percebendo, esse tipo de postagem acaba gerando comoção e certas fansbases sofreram com isso. Tivemos conhecimento que uma fanbase precisou entrar na justiça, pois estava recebendo ameaça de morte e algumas pessoas estavam passando por acompanhamento psicológico.

Será que é inofensivo esse tipo de conduta?

No drama uma frase me marcou muito: “Uma verdade que espera ser descoberta sempre deixa um eco de dor”

Isso quer dizer que enquanto não se revela o que de fato aconteceu, alguém pode estar com dor ou sofrendo. A verdade é sempre o melhor caminho.

Se você já viu ou pretende assistir Argon não esqueça de compartilhar sua opinião.

Argon está disponível na Netflix. E possui uma das melhores aberturas de kdramas que eu já vi.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: