27/01/2022

Resenha: Parasita

— Análise Crítica por Geovanne Santos —

Ficha Técnica:

Nome: “Parasite” 기생충 / Parasita

Diretor e Roteirista: Bong Joon Ho

Gênero: Thriller, Comédia, Drama, Família

Data de lançamento: 30 de maio de 2019

Idioma: Coreano

País: Coréia do Sul

Sinopse: Toda a família de Kim Gi-taek está desempregada, vivendo em um porão sujo e apertado, mas uma obra do acaso faz com que ele comece a dar aulas de inglês a uma garota de família rica. Fascinados com a vida luxuosa destas pessoas, pai, mãe e filhos bolam um plano para se infiltrar também na família burguesa, um a um. No entanto, os segredos e mentiras necessários à ascensão social custam caro a todos.

Esse texto contém spoilers.

Opinião

Este texto será baseado na minha opinião ao ver o filme. Quem não viu, tire um tempo, veja e depois retorne para a leitura desse texto. O filme é incrível e merece toda atenção de vocês. Então vão lá e vejam!

Sem dúvida alguma vocês estão ouvindo falar muito desse filme, dependendo da data que vocês estão vendo/lendo esse texto, o filme pode ter levado vários prêmios para casa, não é para menos! O filme é incrível e acerta muito no que se propõem a contar. Temos um incrível roteiro com roteiro que permeia vários gêneros, atuações magníficas, direção magnífica, fotografia magnífica, entre outros pontos que comentaremos ao longo desse texto.

Parasita é um filme sul-coreano que retrata a vida de uma família que tem uma vida muito precária, todos estão desempregados e isso reflete totalmente na vida que eles vivem. Um ponto que é super interessante aqui, é que o filme nos mostra uma visão completamente diferente da Coreia. Muitas vezes somos apresentados a conteúdos que mostram apenas as coisas boas, entretanto no fundo sabemos que essa não é a realidade de todos. O filme acerta muito em trazer esse lado, talvez nem conhecido por todos, da Coreia. O longa aborda isso de maneira sútil com algumas cenas ao longo de alguns atos da trama, mas que são bastantes significativas e nos fazem refletir sobre o que foi falado anteriormente. Algumas cenas do início do longa, onde somos apresentados à residência da família, nos mostra diretamente sobre isso. Um local que aparenta ser longe de todos e de tudo, onde até a privada fica acima de suas cabeças e sempre há pessoas fazendo suas necessidades ali perto. Uma realidade bastante cruel. Toda a cena acaba por trazer sentimentos de que eles e todos ao redor estão abandonados pela grande massa.

Um amigo da família aparece com o que poderíamos chamar de a “salvação” para que tudo ali pudesse ser estabilizado. O filho (Kim Gi Woo) da família é ofertado a uma vaga de emprego para ser tutor de uma menina vinda de uma família rica. O modo que ele consegue essa vaga já deixa o público um pouco receoso, mas acabamos por sentir empatia por ele e pela condição de sua família e por isso relevamos toda a situação. Logo um grande plano é botado em ação para que toda a família seja adentrada na casa dessa família, socialmente favorecida. Um a um é adentrado a casa de uma forma totalmente errada, onde outras pessoas precisam ser retiradas para que eles possam entrar. É a partir daí que começamos a entender o título do filme “Parasita”.

Voltando um pouco ao que estávamos falando sobre a família e suas necessidades, depois que o roteiro dá essa reviravolta incrível passamos a ter uma visão completamente diferente sobre eles. Passamos a ver que eles não querem apenas trabalhar e adquirir o seu sustento e viver bem, eles querem mais, querem o que essa família, socialmente favorecida, possui. Eles entraram ali com mentiras e essas mentiras acabam enganando a eles próprios, onde eles começam a achar que precisam ter aquelas vidas, nesse processo eles acabam perdendo a própria identidade e sendo comparados até a baratas. Existe uma cena onde eles se aproveitam que os donos da casa estão fora e passam a utilizar da casa como se fosse suas. Em um certo momento a família volta e eles rapidamente precisam se esconder embaixo de um móvel, assim como as baratas fazem quando percebem movimentação no ambiente.

A ganância começa a tomar conta deles e os mesmos passam a fazer coisas que, antes, você nunca imaginaria que eles seriam capazes de fazer. Então o roteiro muda drasticamente a forma que vemos a família. Eles deixam de serem vistos como necessitados e começam a ser vistos como gananciosos, fazendo de tudo para manter aquela aparência que eles já estão tão convencidos.

Roteiro

Como eu deixei bem claro acima, o roteiro desse filme é incrível! A forma como vemos o filme é mudada várias vezes ao longo do mesmo, uma hora percebemos que é um drama familiar e depois o longa passa a ser um thriller e o diretor/roteirista faz isso de uma maneira genial, tanto que algumas pessoas só vieram perceber isso depois que viram o filme. Depois disso a trama vai ficando cada vez mais e mais obscura, retratando até mesmo assassinatos. Além disso, o roteiro e a direção trazem muitos elementos para nos fazerem refletir sobre muitas coisas.

O roteiro tem muito embasamento social, então a todo momento somos apresentados a críticas a sociedade e também o roteiro foca muito em mostrar as diferentes classes sociais, ficando somente limitado a mostrar os pontos extremos da pirâmide social, ou seja, mostrando apenas as classes alta e baixa dessa pirâmide. Existem algumas cenas que retratam muito bem isso. Em algum momento do filme uma grande chuva atinge a localidade e acaba destruindo o “bairro” onde a família dos Kims vive, destruindo tudo o que eles possuem. Sutilmente, o roteiro mais uma vez nos mostra o quão prejudicados são as pessoas socialmente desfavorecidas e o quanto pequenas coisas custam para elas. Ao passo que a família está tentando a todo custo salvar o que pode, a outra família, rica, comemora a chuva, dizendo que aquilo ali é uma “benção”. Isso nos apresenta a duas perspectivas, de duas famílias com condições diferentes sobre esse assunto, no caso a chuva. Esse é um detalhe bem sutil que muitas pessoas podem passar batidas por ele, mas que, na minha opinião, é algo que nos faz pensar bastante e refletir sobre os conceitos do que é bom e do que é ruim.

Algumas das perguntas que mais foram feitas foram: “Quem são os parasitas?” e “O que são os parasitas? E essa simplesmente é a pergunta de mais importância na trama na minha opinião. Em primeiro momento todos podem achar que a família desfavorecida é que são os parasitas, eles são! Todavia, o título não se limita apenas a eles. Todos ali de certa forma são parasitas, até mesmo a família rica é parasita. Mesmo pagando os seus empregos, de certa forma eles parasitam esses funcionários, ou seja, os ricos parasitam os pobres. Conceito bastante interessante.

Uma coisa muito importante de se ressaltar é que o filme quebra alguns clichês que pregam que os ricos são sempre os “vilões” e os pobres os “coitados”, assim como foi falado no parágrafo anterior. Todos ali possuem o mesmo grau de vilania e ingenuidade. Percebemos que o filme mostra o preto e o branco se misturando, deixando o cinza tão evidente que acabamos por nos questionar sobre quem são os reais parasitas.

No meio da trama somos apresentados a um personagem que, na minha opinião, é a representação das pessoas com mais dificuldades financeiras e sem nenhuma base social, onde essas são jogadas à sua própria sorte sem nenhum auxílio das autoridades governamentais. Esse personagem vivia no porão da casa, dessa família rica, e estava ali por bastante tempo atuando também como uma espécie de parasita. O roteiro usa isso para trazer mais críticas à sociedade Coreana, não só a ela, mas todas que sofrem com esse descaso. Tanto que pesquisando um pouco a fundo vemos várias matérias falando sobre esse lado que tentam a todo custo esconder da sociedade, onde muitas vezes o país é visto como “Oásis” asiático, mas a realidade do mesmo está muito longe da perfeição que as pessoas acham que existe ali. Outro ponto bastante importante a ser mencionado é a localidade onde esse personagem reside, local esse que enfatiza mais ainda o que foi falado anteriormente. Ele vive em um bunker que podemos associar aos esgotos, lugares esses frios e escuros, assim como alguns animais que habitam esses locais, o mesmo se esconde pelo dia e sai para se alimentar durante a noite. Tudo isso amplifica mais ainda a ideia de parasitas vivendo no nosso meio.

O filme possui algumas coisas que o público pode questionar em seu roteiro como, por exemplo, algumas atitudes ou ações de alguns personagens. Muitas dessas ações são necessárias para que o roteiro possa se encaminhar, mas muitas vezes você começa a duvidar daquilo, por ser muita “burrice” dos personagens, todavia isso não atrapalha em nenhum momento a experiência e nem tira mérito do filme, mas é importante salientar sobre isso.

O final do filme é simplesmente espetacular com essa pegada de terror e assassinato, vemos também que todos ali são afetados por seus atos e por atos de outros. No final ficamos com um sentimento ambíguo sobre a família Kim. No fundo sabemos que eles fizeram muitas coisas erradas, mas tudo isso se deu por serem socialmente desfavorecidos, sabemos que isso não seria um motivo para eles fazerem o que fizeram, assassinatos, mentiras, manipulações etc. Todavia as pessoas têm maneiras diferentes de reagir a uma situação e essa foi a maneira da família Kim reagir a isso, não foi o certo, mas foi a maneira que eles encontraram de reagir. A situação desfavorecida foi um gatilho para que eles fizessem tudo aquilo, a crítica por trás disso é muito forte.

O diretor/roteirista nos traz essa visão de parasitas que são criaturas que vivem em associação com outros dos quais retiram sua própria sobrevivência. Vemos isso ao longo de todo o filme, nada mais importa para aquelas pessoas ali, não importa a vergonha, culpa ou qualquer outro sentimento parecido, o que importa ali é apenas uma coisa, a sobrevivência. Então o diretor trás essa sacada incrível para o filme que nos fazem pensar bastante a respeito, existem muitos parasitas no mundo, talvez até do nosso lado, talvez nós sejamos os parasitas.

Outros

Como vocês já devem ter percebido a atuação é incrível! Acho que todos cumprem o que era preciso para fazer esse filme tão grande quanto ele é.

Temos também aqui um grande aprofundamento nos personagens e nas tramas de cada família ali, falei sobre isso ao longo do texto, mas falando separadamente os personagens são muito bem construídos e o roteiro empregado a uma ótima atuação presente no filme faz com que tudo fique muito bem feito. Outra coisa que engrandece muito o filme é a sua trilha sonora, simplesmente espetacular a forma que eles fizeram a trilha sonora desse filme. Em alguns momentos fiquei tenso apenas por causa da musiquinha tocando de fundo em alguns momentos. Tudo isso citado anteriormente engrandece e ajuda a contar a incrível história do longa.

Opiniões finais e conclusões.

A minha opinião sobre o filme ficou bem explícita ao longo de todo esse texto, o filme é simplesmente incrível, um dos melhores, se não o melhor, de 2019. O filme acerta muito em nos trazer um roteiro cru sobre temas bastantes sensíveis e que nós, em algum momento de nossas vidas, presenciamos, ou ouvimos falar sobre em algum lugar. O filme nos faz pensar em muitas coisas que, talvez, antes não pensávamos. Não preciso dizer que está super recomendado, mas sinceramente espero que vocês tenham visto o filme antes de ter lido o texto. Ainda ouviremos falar muito sobre esse filme e como ele está conquistando o cinema mundial. Isso é muito importante, visto que as produções Coreanas e Asiáticas acabam por sofrer muitos preconceitos e muitos deixam de ver por causa disso, então é importante ver um filme asiático fazendo tanto sucesso ao redor do mundo.

Até o dia que esse texto está sendo escrito o filme já ganhou alguns prêmios como o “Palma de Ouro” que é o prêmio de maior prestígio do festival de Cannes, um dos maiores do cinema. Outro de grande importância foi o Globo de Ouro por “Melhor filme estrangeiro”. O diretor Bong Joon Ho deu um excelente discurso ao receber o prêmio. Finalizarei o texto com um trecho desse discurso. “Quando vocês superarem as barreiras de filmes com legendas, conhecerão muitos filmes incríveis”

O que vocês acharam do filme? Depois desse longo texto deixe-me saber sua opinião a respeito.

Minha Nota: 10/10


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores originais e não refletem necessariamente a opinião das Coreanas de Taubaté.

Geovanne Santos
Geovanne Santos

20 anos, 4 de dorameiro. Sempre fui um amante das coisas asiáticas, mas a cultura coreana foi a que mais me cativou. Assisto de tudo um pouco. Sempre gostei de escrever e dar opiniões sobre as coisas e aqui é uma plataforma perfeita para isso. Dramas favoritos: 365: Repeat Of The Year e Designated Survivor: Korea.

One thought on “Resenha: Parasita

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: