20/10/2021

Entrevista: Escritora Cho Nam Joo

Trazendo à tona o sutil sexismo na Coréia moderna: o livro de Cho Nam Joo reflete a discriminação que muitas mulheres enfrentam diariamente.

Cho Nam Joo, autora do livro mais vendido “Kim Ji Young Born 1982”, fala sobre como ela veio a escrever o livro.  Ela queria mostrar às pessoas como, vivendo como uma coreana, ela enfrenta sutil discriminação todos os dias. O livro foi inicialmente destinado àqueles alheios à idéia de feminismo e igualdade de gênero.

“Kim Ji Young Born 1982” foi publicado em outubro de 2016 e vendeu mais de 270.000 cópias desde então. 

Kim Ji Young é uma dona de casa de 33 anos que estudou na universidade como todos os outros, conseguiu um emprego decente, conheceu um homem legal e deixou o emprego para cuidar de sua família amorosa.  Ao longo de 192 páginas, os leitores seguem a típica vida coreana de Kim desde a primeira infância até a idade adulta e veem como ela acaba precisando receber tratamento psiquiátrico de todos os danos que sofreu durante sua vida.

“Kim Ji Young Born 1982”, escrito por Cho Nam Joo e publicado pela editora Minumsa, foi lançado em outubro de 2016 e vendeu mais de 270.000 cópias em 30 de agosto. Não foi uma sensação instantânea a princípio, mas começou a ganhar atenção no início de 2017, quando os leitores publicaram resenhas do livro nas mídias sociais. Em 19 de maio, depois que Roh Hoe Chan, líder do Partido da Justiça, deu o livro de presente ao Presidente Moon Jae In com uma mensagem que dizia: “Por favor, abrace ‘Kim Ji Young Born 1982′”.  as vendas do livro dispararam.

Embora o livro não tenha reviravoltas espetaculares na trama ou aventuras extremas travadas pelo protagonista, tocou o coração de leitores de diversas origens em toda a Coréia por sua sutileza. Em vez de descrever situações extremas em prol da trama, o livro descreve calmamente experiências comuns que acontecem no dia a dia das mulheres coreanas – coisas que sempre estiveram lá, mas que nunca foram consideradas problemáticas até recentemente.

Ji Young é um nome comum na Coréia, assim como o sobrenome Kim. As leitoras veem as sutis dificuldades que têm de suportar ao ler sobre a vida de Kim e as leitoras veem um lado da história que antes só viam em pedacinhos. A popularidade do livro simboliza a angústia das mulheres coreanas que se acumularam ao longo dos anos. Pode ser ficção, mas a vida de Kim não é fruto da imaginação de Cho; todos os detalhes e incidentes da história foram baseados em estatísticas do governo, artigos de jornais, pesquisas e entrevistas. É uma história, mas também é um testemunho de ser uma mulher na Coréia.

No ensino fundamental, quando um garoto puxa o cabelo de Kim e zomba dela, a professora diz a Kim que ele faz todas essas coisas “porque gosta de você”, e sua mãe a manda embora por fazer barulho do nada.  Quando Kim vai para uma academia depois da escola no ensino médio, um garoto aleatório a segue até sua casa no mesmo ônibus, dizendo: “Você sempre senta ao meu lado e sorri para mim.  Você flertou comigo e agora está me tratando como um pervertido?”. Depois da formatura, quando Kim está indo para uma entrevista em uma empresa, o taxista diz a ela que “não deixa as mulheres serem as primeiras clientes do dia”, mas que ele “fará uma exceção”.

Estes são apenas alguns dos exemplos de dificuldades que Kim enfrenta ao longo do livro.

De acordo com Cho, o livro tem um objetivo claro de esclarecer aqueles que ignoram a discriminação de gênero que ocorre todos os dias. Pode faltar emoção, mas o tom seco conquistou o coração de seus leitores. O JoongAng Ilbo, afiliado do Korea JoongAng Daily, sentou-se com Cho em 12 de agosto, em um café em Gangnam, sul de Seul, onde gosta de levar seu laptop e trabalhar depois de deixar a filha na creche.  Como ela chegou a escrever livros feministas?  Como uma feminista afiada afia sua caneta? A seguir, trechos editados da entrevista: 

Como você se sente com a popularidade do livro?

Minha mãe me enviou uma mensagem de texto com todos esses erros de digitação dizendo: “Até o presidente lê seu livro”. Foi assim que descobri.  Na verdade, nada mudou muito para mim.  É o livro que se tornou famoso, não eu como escritora.

Você recebeu recentemente um prêmio de 20 milhões de won (US $ 17.700) por seu trabalho.  Você já fez muito com seu livro, “Kim Ji Young Born 1982?”

Eu trabalhava como roteirista de programas de TV, mas não ganhava dinheiro depois que deixei o emprego e fiquei em casa para cuidar da casa e do meu filho. Sua atitude difere de quando você tem dinheiro entrando na sua conta e quando não. Francamente, eu realmente não achava que escrever romances fosse uma carreira para mim antes de escrever “Kim Ji Young”. Porque se é uma carreira, é preciso ganhar a vida com ela. Agora que fiquei mais confiante com a escrita, cheguei a pensar que poderia me tornar uma escritora profissional de romances. Isso me faz pensar mais seriamente em escrever histórias.

O que você acha de algumas resenhas que dizem que o livro é mais um documentário do que um romance?

Adicionei notas de rodapé aqui e ali com estatísticas de todos os tipos e fiquei realmente um pouco preocupada com o fato de as pessoas não o verem como um romance. Mas eu queria mostrar como era viver uma vida comum, ou talvez apenas um pouco melhor do que a mulher coreana comum na realidade. Não importava a prateleira em que o livro fosse colocado, apenas decidi seguir esse método.

Você tem um motivo específico para escrever um romance feminista?

Uma vez, peguei minha filha no carrinho de passeio em um parque e estava segurando uma xícara de café na mão. Então eu ouvi um monte de trabalhadores de escritório – que provavelmente estavam passeando durante à hora do almoço – zombando de mim por ser um “momchung” (um portmanteau em coreano de mom e chung, que significa inseto;  o termo é um nome depreciativo para mães que desrespeitam os outros, usando seus filhos como desculpa – ou parasita). Eles estavam falando sobre como as mulheres vivem vidas muito mais confortáveis em comparação aos homens. E então, mais ou menos na mesma época, uma celebridade escreveu uma coluna dizendo que o feminismo é mais perigoso que o Estado Islâmico. Eu já levava a discriminação de gênero muito a sério e, quando passei por essas duas situações, pensei em escrever algo. 

Dizem que você levou apenas dois meses para escrever a história.  Você acha que é porque é uma história sobre sua vida também?

A vida de Kim Ji Young não é muito diferente da que vivi.  Eu acho que foi por isso que consegui escrever tão rapidamente sem muita preparação. As mulheres têm mais ou menos o mesmo tipo de experiência em suas vidas.  Por exemplo, quando você encontra um homem desconhecido em um local isolado, você se sente ameaçada – mesmo que ele não esteja te seguindo particularmente.  São esses tipos de coisas que reuni neste romance.

Como as leitoras reagiram?

Algumas não tinham consciência de que eram problemas reais, enquanto outras estavam cientes e se sentiam desconfortáveis e ameaçados por essas situações, mas não conseguiam expressar seus pensamentos em voz alta. Agora que há um romance feminista dizendo que esses são casos reais de discriminação sexual e que esses tipos de coisas são grandes problemas na sociedade, elas estão apresentando suas próprias experiências no passado ou compartilhando suas opiniões, dizendo: “Eu sei  como é isso.”

Você era feminista desde o início?

Assim como Kim Ji Young, eu cresci sem saber que os problemas eram reais. Eu tenho um irmão mais velho que é muito mais velho que eu, depois uma irmã mais velha que é um pouco mais próxima da minha idade. Quando minha mãe estava trabalhando, minha irmã e eu, desde muito jovens, tivemos que cuidar da refeição para meu pai e irmão, que eram adultos.  Esses tipos de injustiças sutis pareciam muito naturais. Foi assim que me ensinaram a sentir. Eu fui uma garota que frequentou o ensino fundamental, o ensino médio e a universidade e ainda não entendia realmente a natureza da discriminação sexual.  Então comecei a mudar depois de me formar na universidade, conseguir um emprego, me casar e lidar com meus sogros (tradições coreanas tendem a ser muito patriarcais, e uma mulher casada deve colocá-la sogros antes de qualquer outra coisa).

O que aconteceu especificamente?

Quando eu trabalhava em uma estação de radiodifusão, sempre cabia às trabalhadoras arrumar a mesa, como guardanapos e colheres, independentemente da hierarquia dentro da empresa. Certa vez, quando encomendávamos comida para todos da equipe, um colega me disse para pedir um sanduíche em uma loja da qual nenhum de nós encomendava.  Foi quando pensei: por que estou fazendo isso?  Depois, comecei a ver todos os tipos de situações estranhas como essa.

Houve muitos problemas desde que você começou a se conscientizar da situação?

Isso pode deixar alguns homens muito desconfortáveis, mas acho que é necessário examinar profundamente por que estamos percebendo essas situações como normais. Como, por que os papéis domésticos e de limpeza são dados às mulheres sem dúvida, como babás e donas de casa? Por que os números de previdência social começam com “3” para homens e “4” para mulheres?  Por que os homens ficam com raiva quando são rejeitados pelas mulheres, quando as mulheres não estavam interessadas em primeiro lugar, mas estavam apenas sendo educadas?

Mas ninguém ficaria bravo se fosse rejeitado?

Pode ser que sim, mas também é verdade que os homens têm mais a dizer do que as mulheres sobre a possibilidade de formar um relacionamento ou não.

Como você se sente em relação às famílias comuns?

É comum dizer que, quando um pai amoroso conhece o namorado de sua filha pela primeira vez, ele se sente triste ou até bravo com isso. Mas acho que é porque estamos muito acostumados ao patriarcado e os homens vêem suas filhas como posse ou parte da estrutura doméstica centrada no pai. É um pouco diferente das mães ficarem tristes com as namoradas dos filhos, eu acho.

Por que você acha que esse sexismo profundamente enraizado acontece?

Desde o nascimento, os homens são bem-vindos, enquanto as mulheres não.

Como você acha que podemos equilibrar isso, então?

A primeira lei que tornou ilegal a discriminação sexual foi aprovada em 1999, e o Ministério da Igualdade de Gênero foi criado pela primeira vez em 2001. Mas, honestamente, a realidade não parece estar mudando muito. Ou talvez seja porque começamos a ver as coisas como problemas que não tínhamos sido capazes antes, e é por isso que achamos que nada está mudando.  De qualquer maneira, precisamos expandir nossa consciência.  Minha autora americana favorita, Rebecca Solnit, escreveu em um de seus livros sobre crimes sexuais que os julgamentos favoráveis aos homens estão fazendo as mulheres se sentirem menores na sociedade e trazendo um desequilíbrio ainda maior à relação homem-mulher, e eu concordo. As punições por crimes sexuais devem ser muito mais rigorosas.

Nota: A entrevista foi postada no site em 2017. O livro foi publicado pela Minumsa em outubro de 2016, vendeu mais de 1 milhão de cópias na Coreia até 27 de novembro de 2018, tornando-se o primeiro romance coreano mais vendido desde a Please Look After Mom, de Shin Kyung Sook, em 2009.

O filme “Kim Ji Young: Born 1982″ é estrelado pelos atores Jung Yu Mi (Kim Ji Young) e Gong Yoo (Jung Dae Hyun) como principais.

Siga o trailer do filme abaixo!

FONTE: koreajoongangdaily

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: