23/10/2021

Memorist e o senso moral do que é certo e errado

Texto contém spoilers

Memorist foi um dos dramas que mais me fez ficar igual o meme da Nazaré confusa, a cada episódio foram surgindo teorias que me fizeram duvidar da minha própria sanidade.

O drama começou expondo um assassinato em série de garotas, e isso envolveu uma seita religiosa e já no segundo episódio o assassino foi revelado e o terceiro episódio o cabeça da situação foi assassinado através do ato de um justiceiro, mas o drama tinha muito mais a mostrar e foi criando uma rede de acontecimentos em que tudo estava interligado.

Por fim, descobrimos que outra pessoa tinha poderes psíquicos que ao contrário de Dong Baek que pode ler memórias, ele tem o poder de apagá-las. Desde então, a trama se foca em descobrir quem é esse apagador e qual a sua motivação para o que está fazendo.

No decorrer dos episódios, vimos que desde o passado, várias mortes ocorreram, e o interessante é que todas essas pessoas haviam cometido algum tipo de crime, então, esse assassino estava agindo como uma espécie de justiceiro, matando aqueles que fizeram mal a alguém, e o pai da Sun Mi foi um deles, porém para ela, ele continuou sendo pai.

Na segunda fase do drama, as mortes começaram ocorrer ao contrário, os entes queridos dos culpados é que começaram a serem punidos, todos que estavam envolvidos de alguma forma em um dos crimes que gerou toda essa rede de assassinatos, começaram a ver seus entes queridos morrendo.

Sobre a trama de Memorist, primeiro eu pensei que era sobre o detetive que lê memórias, depois pensei que fosse sobre serial killer, quando tive certeza que era sobre algo sobrenatural, os roteiristas enfim nos explicaram que a trama era sobre vingança.

Assistindo a um dos episódios, me deparei com o sentimento de, “todo mal que você comete, uma hora volta para você”, não é certo se fazer justiça com as próprias mãos, mas assistindo aos episódios me passou pela cabeça, eles mereceram, destruíram toda uma família, encobriram um assassinato e um estupro, só para não manchar a reputação de um riquinho, forjaram assassinato como suicídio e arrastaram um monte de gente para o meio disso.

Então eu fiquei me questionando até que ponto vai o nosso senso moral do que é certo e o que é errado? Nossa empatia é seletiva? Será que temos que aceitar as coisas porque a lei diz que é certo? Como nos sentiríamos se estivéssemos no lugar dessas pessoas que tiveram um ente seu tirado de si de uma forma brutal e ainda por cima houve um monte gente que ajudou a encobrir isso?

Eu mandei mensagem para uma pessoa que estava acompanhando o drama perguntando se era só eu que estava me sentindo assim, achando que eles fizeram por merecer, não quero incitar o ódio e nem aplaudir os métodos cruéis e errados do assassino, só estou tentando debater comigo mesma, até que ponto eu consigo sustentar os valores nos quais acredito e não me deixo levar pela emoção? Tudo o que você sofreu, não justifica querer fazer o mal a outras pessoas. E a intenção do drama é bem essa mesmo, mexer com o seu psicológico dessa forma e lhe fazer pensar o que é certo e errado.  

Eu senti que Memorist nos trouxe esse questionamento, a linha tênue entre o bem e o “mal” e a justiça e a injustiça, mesmo Dong Baek e Sun Mi sabendo de todos os crimes cometidos, eles estão tentando fazer de tudo para proteger as pessoas inocentes que acabaram pagando por um ato no qual não tiveram nada a ver.

Por hoje é só pessoal, mas quero saber de vocês, o que acharam da trama justiceira de Memorist? 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: