24/10/2021

FIX YOU

Não estava prepara para me decepcionar, a tristeza foi profunda.

Solta a musiquinha triste do Naruto DJ, vou começar meu relato. Tururu 🎶

Mais uma semana e com ela nos trouxe mais 4 episódios de Fix You. Continuamos com o caso do Park Luo, o menino que tem esquizofrenia, é totalmente ciente disso, mas mesmo assim não consegue reagir ao tratamento, e tem mais um porém, ele não reage a medicação também. A roteirista nos apresentou mais uma vez o tema dos pais, como suas ações afetam nossas vidas e a resposta deles sempre é mesma “você ainda está se apegando a isso? Já faz tempo, supera” essa frase foi repetida duas vezes durante a trama e realmente me chamou bastante atenção porque tenho um histórico mais ou menos assim com minha mãe, sabe aquele ditado de quem bate esquece, mas quem apanha não? Pois é, muito válido. Também fomos apresentados a parafilia, gente, ia morrer ia não ia saber o termo técnico.

Transtorno parafílico são impulsos, fantasias ou comportamentos recorrentes, intensos e excitante sexualmente que causam sofrimento ou incapacitação e que envolvem objetos inanimados, crianças ou outros adultos não consentidores, sofrimento ou humilhação de si mesmo ou do parceiro com potencia para causar dano (dezenas de parafilia foram descritas, mas as mais comum são: pedofilia, voyeurismo, transtorno transvético e exibicionismo). Informações legais né? Por isso que estou muito chateada por Fix You ter me decepcionado tanto no roteiro, um tema tão sério assim ser tratado com tanta irresponsabilidade.

Ponto positivo: trazer mais informações a sociedade sobre transtornos psicológicos e mostrar que por mais que a pessoa tenha esse transtorno, o que ela fez é crime e precisa pagar por isso.

Pontos negativos: eu disse que eu se achasse pontos negativos nesse drama, eu ia ser a primeira a falar. Pois bem, vamos lá, o Si Joon foi pintado como um psiquiatra diferente, um médico que não desiste dos seus pacientes e luta até o fim, e nesse episódio não foi isso que vimos, a roteirista desconstruiu todo o seu perfil, “ah, mas ele também tem seus traumas”, claro, ele é ser humano, mas isso não dá o direito dele ser um escroto e principalmente com uma pessoa com um histórico como o da Woo Joo. Ele quase a atropelou e só fez dar meia volta no carro e nem sequer saiu para conferir como a moça estava, brigou com ela sobre a paciente alcoólatra, sendo que a responsabilidade não era dela, e ainda por cima a deixou desistir do tratamento e a tirou da dramaterapia, sendo que era a única coisa que a estava mantendo sã. E no final, a Woo Joo aparece como sua salvadora e partir daí vai se começar o romance, o que mais me dói, é que tudo isso foi feito para os dois terem uma conexão, já que ele só a enxergava como paciente. O problema não é ter romance, e sim como ele é retratado e se teria várias maneiras de retratar isso sem ser com a forma que foi exposta. A gota d’agua pra mim foi como ele tratou o pai, entrou na sala de cirurgia e saiu arrastando-o pela braço e gritando com ele, o pai tem demência, e ele como psiquiatra deveria entender isso mais do que ninguém, se ele não quer vê-lo como pai, que seja pelo menos como paciente, ele dizendo que o pai não era paciente e que estava perfeitamente normal, me deixou muito mal, e acena seguinte foi ele esquecendo de onde estava e o que tinha feito. Eu achei desnecessário a briga de poder pela diretoria do hospital e o negócio da denúncia do paciente Park Lou, eu acho que o tema é bem vasto e tem como a roteirista focar nas coisas certas sem precisar trazer certo tipo de temas para prender o espectador. E sem contar que ela está trazendo todos os psiquiatras com algum tipo de problema, e eu entendo perfeitamente que ela quer dizer que todos têm problemas e traumas, mas isso só faz reforçar os estereótipos que as pessoas pensam dos psiquiatras e psicólogos “tá vendo? São tudo doido, a gente vai para se tratar e fica pior” e vai fazer as pessoas ficarem mais arredias ainda.

Moral da história: provavelmente vai ser um drama que vou dropar, pelo o que vi da prévia, vão começar a focar em coisas fora do que foi proposto. Já disse mil vezes que estou decepcionada com o drama, muitas pessoas precisam de ajuda e eu tinha esperança que ele mostrasse isso, que não tem problema você precisar de ajuda e que pode recorrer aos profissionais da saúde mental que eles estarão ali para lhe ajudar, mas não é isso que está acontecendo. Estão mostrando psiquiatras que agem em beneficio próprio, que questionam seus pacientes, e que fazem pouco de sua dor. Verei mais os próximos 4 episódios para decidir se será dropado ou não, mas minha animação foi lá embaixo.

Sei que muitos podem dizer que isso é um drama, mas roteiristas tem responsabilidade social quando escreve algo, por isso, isso deve ser pensado com muito cuidado na hora de ser mostrado, eu li a entrevista que ela deu, falando sobre o drama e estava tão legal, uma pena.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: