20/10/2021

Resenha: Find Me In Your Memory

— Análise Crítica por: Vivian Kelen —

Find Me In Your Memory foi um dos dramas que comecei por começar, não tinha muitas expectativas nele, mas me surpreendeu de tal forma, que virou um dos meus queridinhos. A Thaís é um dos meus termômetros para drama, quando ela me mandou mensagem dizendo que eu precisava assistir porque o negócio já começava com sofrimento, pensei, será? Não sou muito fã de comédia romântica e nem de romance, mas quando olhei a tag de melodrama, imediatamente pensei que era pra mim, por isso trouxe a resenha desse drama, já aviso que o texto contém spoilers. 

Essa é a minha primeira resenha e não sei nem por onde começar, então já me perdoem as viagens.

Ficha Técnica:

Nome: Find Me In Your Memory/ 남자의 기억법

Diretor: Oh Hyun Jong

Roteirista: Kim Yoon Joo

Gênero: Romance, drama, melodrama

Rede: MBC

Data de lançamento: 18 de março de 2020 a 13 de maio de 2020

Idioma: Coreano

País: Coréia do Sul

Sinopse: 

Jeong Hoon é um âncora líder de audiência, que sofre de hipertimesia. Dono de um rosto bonito e um corpo perfeito, Jeong Hoon fica deslumbrante de terno. Mas, apesar da aparência gentil e perfeita, ele se transforma em um tirano no trabalho e não hesita em ofender as pessoas com suas perguntas agressivas. Por causa da hipertimesia, também conhecida como Síndrome da Supermemória, ele recorda todas as memórias de cada dia de sua vida desde a infância, incluindo cada detalhe do amor da vida dele, Seo Yeon, que desapareceu há oito anos. Ha Jin, uma estrela em ascensão que atrai a atenção de todos, é uma pessoa confiante que não hesita diante de nada, não importa aonde ela vá. Mas ela tem um segredo: a memória dela está falhando. Um dia, o caminho dela cruza com o do Jeong Hoon, e a história desses dois começa. Será que esse casal tão oposto, um homem que se lembra de tudo e uma mulher que está perdendo a memória, conseguirá superar as dificuldades da vida e se apaixonar no final?

Para ser sincera, fiquei um tanto chocada com essa sinopse, rindo de nervoso, acho que citar o corpo perfeito Jeong Hoon foi altamente desnecessário, e confesso que se eu fosse por esse sinopse, passaria bem longe desse drama, e acredito que ofender as pessoas com perguntas agressivas também não seria a frase correta a se usar, o Jeong Hoon é jornalista, ele acredita que os seus espectadores precisam saber a verdade, por isso que ele sempre prepara as perguntas mais desconcertantes para os seus entrevistados e é por isso que ele é super respeitado no que faz. Vocês viram isso?  Eu defendi esse personagem homem né? Coreanas de Taubaté defendendo homem, ele precisa realmente cumprir seu papel com excelência.

Esse texto contém spoilers.

Mas enfim, vamos ao que interessa. Como dito na sinopse, Jeong Hoon tem hipertimesia que é uma síndrome onde o indivíduo tem uma memória elevada, ninguém sabe disso a não ser sua família e seus psiquiatras. Ele é âncora do jornal das 22h e na grade da programação há um quadro no qual ele entrevista as pessoas, o Jeong Hoon tem uma fama e tanto, devido ao fato dele fazer as perguntas mais desconcertantes para quem está entrevistando, ele faz o dever de casa, pesquisa toda a vida da pessoa, para poder achar alguma coisa questionável, e um desses entrevistados foi a Ha Jin, a outra protagonista dessa história. Ha Jin é uma atriz em ascensão, ela só pega o papel de “vilã” coitada, e como dorameira de carteirinha, sabemos que às vezes levamos o ranço dos personagens para a vida real, mas um belo dia, ela aceita o papel principal em um filme, que eleva sua imagem a outro nível, o filme fala sobre primeiro amor e é um romance, e caiu como uma luva para Ha Jin.

Falando um pouco sobre o roteiro, ele não é uma coisa mirabolante, mas têm muitas reviravoltas e MUITO sofrimento, eu sofri até o penúltimo episódio. Quando estava tudo bem, você até ficava com um pé atrás porque sabia que depois vinha bomba e se vocês forem olhar as tags desse drama, só desgraça, meu pai. O roteiro nos traz traumas, perda de memória, perseguição com celebridades, obsessão com pessoas, antiética profissional, traumas de infância e muito mais, e tudo isso é trabalhado de uma forma bem interessante na trama, não deixando você com nenhuma dúvida. 

Um dos pontos altos desse roteiro é a força das mulheres, a nossa personagem principal é uma mulher forte, não aceita ser tratada como criança, é muito bem decidida no que quer e não faz o papel da mocinha besta e inocente, sua irmã Ha Kyoung é uma personagem forte tanto na personalidade, quanto na força física e ela tem um 1,53 de altura gente, mas coloca um homem no lugar dele e no chão se for preciso. Sua empresária também é uma mulher, normalmente eles colocam homens nesse papel. E o que dizer da diretora do jornal? Hee Sang é uma mulher bem sucedida, sua presença é muito forte, e ela arca com as consequências de suas decisões, o seu marido trabalha no mesmo lugar, mas ela é muito mais considerada e respeitada, e o perfil do marido dela é um tanto caricato, e tenho quase certeza que isso proposital. 

O romance é muito bem desenvolvido e é muito gostoso de ver, se você procura romance enrolado, protagonistas querendo não se querer, veio ao drama errado, desde o início Ha Jin já diz o que quer, Jeong Ho no início não está interessado, mas quando se dá conta do que realmente quer, vemos a mudança notável em seu comportamento. 

Ha Jin (Moon Ga Young)

Como dito no início, Ha Jin é uma mulher forte, não aceita que a deixem de fora da situação, e em um dos episódios ela diz “Parem de me tratar como criança, preciso saber das coisas que se referem a minha vida”. Logo no início, a impressão que me passaram, era que ela era uma personagem meio avoada, ela parecia ser bem “doidinha”, gostava de uma bebida para se acalmar, tanto que seu assessor a seu pedido, colocou álcool em seu café, porque a irmã dela não a deixava beber e ela estava nervosa, ótimo remédio não? E devo confessar que me passou que ela seria igual as outras protagonistas frágeis que dão a louca de vez em quando, mas logo do segundo episódio, isso foi deixado de lado, mas acredito que foi bem proposital. O drama já começa com Ha Jin se envolvendo em mais um escândalo amoroso, e você pensa que ela liga? Não mesmo, deixa que falem de mim. Em sua entrevista com o âncora Lee, ele tentou questioná-la sobre sua mudança de opinião com relação as coisas e ela simplesmente respondeu que não sabia “eu só não quero ser complicada se tratando dos meus sentimentos. Em vez de ter motivos complicados e fazer cálculos, quero viver simplesmente contando até cinco ou seis”. Isso pegou o Jeong Hoon de surpresa porque se lembrou que era a mesma coisa que sua ex-namorada falava, e até aquele momento ainda não sabíamos do que as coisas se tratavam. 

Ha Jin tem um passado, ela perdeu uma parte de sua memória, e o que foi contado a ela é que foi devido a um acidente, durante a trama vamos conseguindo desvendar os mistérios e descobrimos que ela era a melhor amiga da namorada de Jeong Hoon, mas nem ela se lembrava disso ainda, claro, como na maioria dos dramas, os protagonistas tem que estarem interligados no passado. Temos mais um porém nessa história aí, Ha Jin também tem um stalker, e um dos mistérios a ser resolvido, é saber quem é esse stalker 

Jeong Hoon  (Kim Dong Wook)

Como dito, ele é âncora famoso de um jornal, sua personalidade é um tanto difícil, ele não gosta de muito papo furado, é direto ao ponto e não é muito chegado a brincadeiras, uma pessoa fechada e na dele, e isso me remete até as personalidades dos dramas clichês do cara idiota que se apaixona e é mudado pela mulher, mas minha querida roteirista não deixou Find Me In your Memory ir por esse lado. 

Âncora Lee (como Ha Jin o chama) descobriu sua doença ainda criança, ele lembra de coisas que aconteceram quando tinha 2 anos, passou por tratamento com o psiquiatra que fez um estudo sobre sua condição, e desde então, ele tenta lidar com essa doença no dia-a-dia. O drama já começa com o teleprompter apagando e ele lembrando cada palavra que havia lido antes, claro né mores, ômega 3 da toptherm fazendo efeito (risos). 

Mas Jeong Hoon  também tem um passado, nos primeiros episódios apenas vimos que sua namorada cai de um prédio e ele está do lado de fora no carro e a vê caindo, só isso pra mim, já é um trauma e tanto, agora imagina para ele que não esquece nada do que vê. Seu melhor amigo é filho do seu psiquiatra que por sinal também é “seu” atual psiquiatra, mas ele tenta lidar sozinho com a situação, vimos também que o âncora Lee paralisa sempre que está nevando, visto que, o acidente de sua namorada aconteceu enquanto nevava. Ha Jin sempre falava as mesmas coisas que sua falecida namorada falava, e isso começou a incomodá-lo e ele chegou várias vezes a perguntar se elas se conheciam, mas Ha Jin realmente não lembrava de nada. 

Ha Kyung ( Kim Seul Gi)

Ha Kyung é irmã mais velha de Ha Jin e também sua assessora, braço direito, esquerdo, pernas e cabeça. Sua personalidade é maravilhosa, uma baixinha que tem a última voz, tenta colocar sua irmã na linha, não pode beber, não pode comer besteira. Nas situações mais difíceis, ela está ali tomando partido e defendendo a irmã. Ela pratica artes marciais e coloca um homem de mais de 1,80m no chão porque ela não é obrigada. Achei muito bom inverterem a situação, ela que “salva” o homem ao invés de ser salva por ele, te amo roteirista. Sua principal prioridade é sua irmã, apesar de no meio da trama ela se envolver com uma pessoa, mas Ha Jin continua sendo uma de suas principais prioridades e é capaz de deixar tudo para trás por causa dela. Fico me perguntando quando vão dar um papel de protagonismo para a Kim Seul Gi, ela realmente rouba a cena em alguns momentos. 

Vou pontuar algumas coisas da trama que achei bem interessante:

  • ROMANCE

Uma das coisas mais lindas desse drama foi o romance, meu pai amado, me socorre! Logo no início, Ha Jin e Jeong Hoon são flagrados juntos por um paparazzi e todos pensam que eles estão namorando e isso acabou levando seu filme a sucesso de bilheteria, então, os dois decidiram namorar de mentira até o filme sair de cartaz. Olha, confesso que nesse momento eu quis desligar a TV, eu pensei: “Que palhaçada é essa senhora roteirista? Isso de novo? 1000 em cada 1 drama, traz essa temática” mas fui persistente, graças a Deus. Como eu disse, logo no início, o âncora Lee deixou bem claro á Ha Jin que ele não estava interessado e que só ia fazer aquilo para ajudá-la, ai, iludido gente (risos). 

 Ha Jin já disse mesmo “Vokerê” e você que me aguarde. 

Depois disso, as coisas foram seguindo seu curso normal, duas pessoas se conhecendo e sentindo interesse mútuo cada vez mais, Ha Jin sempre estava mais iludida e às vezes era cortada pelo âncora Lee. Ele finalmente descobriu qual era ligação de Ha Jin com sua falecida namorada e por muita “coincidência”, seu amigo psiquiatra foi médico da Ha Jin e descobrimos que sua perda de memória foi uma autodefesa para superar a morte de sua amiga. Após descobrir isso, âncora Lee resolveu se afastar de Ha Jin, mas não é assim que funciona né mores, Ha  Jin que tomou a iniciativa e o beijou primeiro, e ele ficou bem desconcertado com isso.

Mas o destino é brincalhão, e Jeong Hoon começou a receber algumas fotos dos dois juntos e seu rosto estava riscado e isso foi umas das coisas que fez os dois se aproximarem novamente. Ha Jin aceita um drama no qual vai fazer o papel de uma âncora e pede para Jeong Hoon ajudá-la, claro né pessoal? Vai perder a oportunidade? Não somos obrigados. E partir desse momento, os dois começam a ficar mais próximos e Âncora Lee tenta superar seu passado e engata um relacionamento, mesmo ela estando também de certa forma envolvida em seu passado.

  •     MÃE DO JEONG HOON

No episódio 12, vemos que a mãe do Jeong Hoon foi visitá-lo no jornal e acaba encontrando Ha Jin e os três saem para jantar, foi muito lindo ver o envolvimento dos três, e a mãe estava muito feliz por seu filho está com uma pessoa tão linda e legal como Ha Jin. Essa cena talvez pareça aleatória, mas logo depois, vimos que a mãe dele vai para o hospital para ser operada de câncer, ela estava em estágio terminal e acaba morrendo. Ha Jin precisa ir ao hospital e o âncora Lee lhe dá uma carona e acaba encontrando seu pai e fica curioso sobre, e quando chega na sala, descobre que é o funeral de sua mãe, gente, eu fiquei tão em choque que comecei a chorar, não acreditei no que estava acontecendo.

Eu fiquei muito chateada por terem feito isso, ele tinha o direito de saber, se não fosse por essa coincidência, a mãe ia ser enterrada e ele não ia poder se despedir direito. Eu entendo perfeitamente que ela quis protegê-lo de ter uma memória ruim, mas fiquei realmente triste e até hoje quando penso nessa cena, fico com o coração partido.

  • MISTÉRIOS

Do início ao fim, a trama foi cercada de mistérios, por que a namorada do Jeong Hoon caiu do prédio? Por que a Ha Jin se esqueceu da amiga? Quem era o stalker da Ha Jin? Isso tudo foi respondido ao longo da trama, e tudo foi esclarecido, achei que foi muito bem trabalhado. Vimos que a namorada do Jeong Hoon também tinha um stalker, e não, ela não era famosa, isso que eu achei interessante da roteirista, ela colocou duas realidades, como uma pessoa que também não é famosa, pode ter um doido que fique obcecado por ela e isso pode fazê-la perder a vida, e também a pessoa que está no holofote o tempo inteiro, como ela é um alvo muito fácil para stalkers e isso precisa ser tratado com muita seriedade, John Lennon é prova viva do que pode acontecer. Não vou contar quem era o stalker da Ha Jin porque já dei muitos spoilers no texto. 

Vimos também que a Ha Jin era melhor amiga da namorada de Jeong Hoon, e eles não se conheciam, o stalker se passou pelo namorado da amiga e pediu a chave de onde ela ensaiava para fazer uma surpresa e isso acabou levando-a a morte, por isso Ha Jin se sentia muito culpada, ela se culpava pela morte da amiga, mas sabemos que o único culpado era o stalker. E por isso descobrimos também o medo de Jeong Hoon com stalker, porque ele já tinha passado por uma experiência bem traumática no passado, inclusive, os métodos do stalker da Ha Jin eram bem parecidos com o da sua falecida namorada, devido a isso, ele ficou mais preocupado ainda e fazia questão de ir na cadeia para verificar se o culpado continuava preso. 

  • PSIQUIATRA PAI E PSIQUIATRA FILHO 

Como vimos, Sung Hyuk (batizado por mim como psiquiatra pai) tinha meio que uma obsessão com Jeong Hoon e pior ainda, ele queria lucrar em cima da doença dele, ele juntou todos os arquivos do tratamento do âncora Lee e começou a escrever um livro, e usou também conversas com a Ha Jin para colocar em seu livro, Sung Hyuk dizia veementemente que o Jeong Hoon nunca ia superar seu primeiro amor e o fato de sua morte, e não acreditava que ele poderia amar a Ha Jin, inclusive ele disse isso na cara dela, esse senhor me causou tanta raiva. Tae Eun (psiquiatra filho) psiquiatra e melhor amigo de Jeong Hoon, acompanhou o estado tanto dele quanto da Ha Jin e ficou com medo de que o relacionamento dos dois fizesse mal para ambos, mas principalmente para Ha Jin, que passou por muita coisa para poder superar a morte da amiga. Ele tentou parar o pai de publicar o livro, mas não conseguiu, e acima de tudo, tomou atitude de denunciá-lo por quebra de sigilo de prontuário médico, foi muito legal ver, não é porque é seu pai, que pode passar a mão na cabeça e fingir que está tudo bem. E convenhamos, o pai dele menosprezava o filho e não o tratava bem de forma alguma, mas mesmo assim, o respeito pelo pai permaneceu. 

  • VILÃO

Vi gente por aí falando que o vilão foi (??), mas pessoal, para nossa realidade, pode não ser lá essas coisas, mas na Coréia, sabemos que isso faz todo sentido. Onde os artistas sofrem vários hates, tem os sasaengs que perseguem suas vidas onde quer que eles vá, esse vilão fez todo sentido. Quando um drama termina, nem tudo eu consigo absorver, eu sempre preciso conversar com alguém para ir clareando as ideias, e eu realmente não tinha me tocado nisso, mas conversado com a Thaís, ela me disse a seguinte frase “eu achava bem surreal, mas depois do que aconteceu com o J-Hope, eu vejo que faz todo sentido”, nessa semana, o J-Hope havia sido atacado com vários comentários de ódio em sua live, e eu realmente percebi que foi bem necessário esse tipo de exposição, então, dizer que o vilão desse drama foi sem sentido, é um tanto irresponsável, porque também vimos que os stalkers sofreram as punições necessárias, mas mesmo assim, um ainda conseguiu acabar com uma vida, e o outro tentou arrastar a Ha Jin para o mesmo caminho, mas que bom que conseguiram resgatá-la a tempo. 

  • RELACIONAMENTO DE JEONG HOON  E HA JIN

Depois de sair na mídia o passado dos dois, eles sofreram bastante ataque, Jeong Hoon perdeu (entregou) seu lugar como âncora do jornal e a Ha Jin perdeu seus trabalhos, e esse foi o ponto mais importante da trama pra mim, que o fez diferente dos outros dramas, mostrar como um relacionamento pode ser saudável e você pode sim amar uma pessoa sem se deixar em segundo plano, e deixar ir também é amar. O único trabalho que apareceu para Ha Jin foi fora do país e ela precisava ir, claro que não contar para o Jeong Hoon foi errado, e ele acabou ficando sabendo pela irmã dela e assim a chamou para conversar. Nesse momento, ele podia ter pedido para ela ficar, ter chorado e implorado, mas ele tinha total consciência de que aquilo era importante para ela, “Eu prometi que sempre estaria ao seu lado para te animar, mas me ter ao seu lado só dificultará as coisas agora né?” E precisamos entender que para você amar uma pessoa, você primeiramente precisa se amar e estar bem consigo mesmo, senão, o relacionamento pode ir para o brejo e vocês se tornarem uma má experiência um para outro, por isso, por mais que nenhum deles quisesse sair um do lado do outro, perceberam que naquele momento era a coisa certa a se fazer. 

Dois anos se passaram e Ha Jin está de volta, depois de fazer muito sucesso nos Estados Unidos e Jeong Hoon agora é repórter de rua e ainda sim continua fazendo seu trabalho com excelência. Você percebe que tudo mudou, a fotografia do drama, a expressão dele, sua áurea parece em paz e em calma, nem a neve o paralisa mais, que grande progresso hein? Destino e clichê os uniram novamente, e pudemos ter as cenas mais lindas já protagonizadas no drama inteiro, que química gente! Tanto que quero esse casal na vida real, que beijo hein! Esse beijo foi tão “técnico” que teve até almofada no meio, nos bastidores. 

Mas novamente surgiu o dilema de Ha Jin ter que ir embora, porém, ela estava dividida entra uma proposta coreana e uma americana, e deixou meio que essa bomba para o Jeong Hoon resolver, só que a roteirista já tinha mostrado ao que veio e não ia largar seus princípios no último episódio e foi onde tivemos a frase do Jeong Hoon que mais gostei, prepara o coração dorameira: “é claro que quero que você fique, mas você gosta do seu trabalho. Você se sente feliz atuando, então não me coloque em primeiro lugar. Pense no que é melhor para você”.

Ela enfim decidiu aceitar a proposta coreana, e aí você pode estar pensando que foi por causa do Jeong Hoon, tenho que lhe dizer que não, a decisão teve a ver com ele, mas ela se colocou em primeiro lugar. Quando perguntada se escolheu a proposta coreana por causa do Jeong Hoon, Ha Jin respondeu da seguinte maneira: “foi por minha causa, eu decidi me tornar uma pessoa que é lembrada diariamente e eternamente, quero me lembrar e amar, nesse lugar”. Mas você pode me dizer, é a mesma coisa, eu sinceramente não penso assim, eu penso que, ela soube que a melhor coisa naquele momento seria ela ficar perto de quem ama e que isso lhe faria muito bem, ela quer ser lembrada e amada não só por ele, mas também pelas pessoas do seu país e quer amar e lembrar diariamente a pessoa que ama e a forma como recebe o amor, em seu país, onde ela pertence. 

  • HIPERTIMESIA DO JEONG HOON 

O grande questionamento da trama seria se ele conseguiria superar suas memórias traumáticas e tristes para que pudesse viver plenamente, não foi à toa que a mãe morreu sem ele saber, ela queria dar uma última memória feliz, não foi à toa que o psiquiatra pai ficou indignado dizendo que ele não ia superar a morte de sua namorada e não ia conseguir amar outra pessoa. A doença não tem cura, a grande questão era como ele iria usar essas memórias, e em nenhum momento isso foi esquecido na trama e inclusive sua fala final fez referência a isso: “Agora eu sei como gravar essas memórias no meu coração e seguir em frente. Sei como elas podem se tornar boas memórias, e não feridas. Só preciso viver o momento de maneira bela”. Mais resolução que essa, impossível, por isso digo que foi um ponto que ficou bem resolvido na trama. 

  • CASAL SECUNDÁRIO

Não posso deixar de falar do casal secundário Ha Kyung e Il Kown, shipei os dois tanto quanto Ha Jin e Jeong Hoon. Um de seus primeiros encontros foi ela defendo-o de um homem que estava tratando-o mal, ela foi lá e fez o cara pedir desculpas, essa cena foi tão maravilhosinha. O casal se desenvolveu de uma forma natural e ele foi o primeiro a gostar dela, nesse relacionamento também não tivemos o quero mas não vou demonstrar isso, foi o “ah, você quer? Quero. Então, tá, fechou, vamos começar um relacionamento”. Quando ela precisou ir embora, ele super entendeu e disse que ia aplicar para ser correspondente nos Estados Unidos para poder ficar perto dela, no entanto vimos que isso não aconteceu, mas mesmo assim, os dois conseguiram manter um relacionamento à distância, e quando ela voltou, pediu para para morarem juntos, quando todos pensávamos que ela ia terminar, foi muito lindo e representativo colocarem a Ha Kyung com essa atitude, vózinhas coreanas piram. 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Apesar da personalidade e passado do Jeong Hoon, a roteirista escolheu desenvolver um homem de verdade, não aquele que usa seu passado para ser um idiota e um escroto, ela escolheu colocar uma personagem feminina forte em vez de uma tapada que só sabe chorar e gritar, o relacionamento tinha tudo para ser abusivo, mas ela escolheu colocar pessoas que se amam e realmente demonstram isso, e que se colocam em primeiro lugar para depois pensar no outro, e vimos que só assim as coisas conseguem progredir, por esse fato, eu não acho que tudo que aconteceu na trama foi desnecessário. 

Pudemos ver uma mulher com pensamento próprio, que age conforme suas vontades, que não ficou apagada por causa de um relacionamento, muito pelo contrário, a imagem dos dois ficou reforçada por igual, uma mulher que pôde dar um ponto final quando achou melhor, e que também pode dar a palavra final para a retomada do relacionamento. Um namoro não a deixou tapada e sem noção, mas sim fortaleceu seus pensamento e vontades e pôde evoluir ainda mais. 

Mas Vívian por que você está falando nisso? Pelo simples fato de que esse drama trouxe muitos clichês, mas nenhum deles foi para desmerecer a mulher e fazer o homem se sair, por isso que falo desse drama com muito amor, ele teve uma responsabilidade imensa de mostrar que uma mulher pode sim entrar em relacionamento sem se sujeitar a maus tratos e sem ser apagada por causa do homem.

A trama foi muito saudável e amável, tanto que tenho até vontade de assistir novamente, quem nunca né? 

Minha nota: 10/10

Se quiserem saber algo mais específico dos últimos episódios, temos alguns termômetros no site que falam especificidades do episódio. Mas e vocês? Quem já assistiu o drama o que achou? O que acharam da análise? Conta aqui para nós.

Curiosidade: umas das tags do drama é a diferença de idade. Em algum momento vocês pararam para pensar nisso? Não né? Nem passou pela cabeça, simplesmente podemos curtir um casal se apaixonando e vivendo seu romance. 

A diferença de idade entre o Kim Dong Wook e a Moon Ga Young é de exatamente 13 anos, e quando os dois foram escalados como protagonistas, o hate surgiu e falaram justamente da diferença de idade dos dois, mas todo mundo pagou a língua porque a atuação foi linda, o ship foi lindo, o beijo maravilhoso, inclusive, quero filhos e netos na minha mesa para ontem. 


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores originais e não refletem necessariamente a opinião das Coreanas de Taubaté.

Vivian Kelen
Vivian Kelen

Assisto dramas desde 2018 e “para todos os garotos que já amei” me trouxe até esse mundo. Minha missão nessa terra é espalhar a palavra da dramalandia. Meus dramas favoritos são Black Dog e Stove League. E não se esqueçam, amem Stray Kids.

One thought on “Resenha: Find Me In Your Memory

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: