27/10/2021

RESUMO DOS EPISÓDIOS 1-3 DE BOKU NO ITA JIKAN

Coreana de Taubaté que sou, vou oscilando entre os países da Ásia. Estou em uma vibe de ver dramas japoneses, pois são mais rápidos. Geralmente são de dez até doze episódios de quarenta minutos até uma hora de episódio. 

Comecei esse drama no mesmo dia que terminei Hospital Playlist. Guardem bem essa informação, pois eu já estava no modo emotiva e os três primeiros episódios de Boku no Ita Jikan são socos no estômago. Demorei a achar onde assistir esse drama. Tem em alguns fansubs brasileiros, mas não consegui assistir no meu celular ou pc. Então, tive que ir para um fansub gringo. Qualquer pessoa já tinha desistido, mas como acredito que muitas coisas estão escondidas, decidi assistir. E olha só o que vi nesses três primeiros episódios? Nesses primeiros episódios somos apresentados aos temas: Doença crônica, alienação parental (tanto do pai como da mãe), mercado de trabalho, suicídio e muito mais. 

A sinopse do drama é a seguinte: Sawada Takuto (Miura Haruma) é um estudante universitário comum. Um dia, ele descobre que tem ELA (doença de Lou Gehrig ou Esclerose Lateral Amiotrófica) e não tem muito tempo para viver. Em vez de se afundar em desespero, Takuto tenta viver sua vida ativamente. 

Diante da sinopse, irei começar a descrever esses três episódios na sequência do que citei acima.

  • 1. Doença crônica: O Takuto descobre que tem ELA. Nós vamos acompanhando todo o processo. Os primeiros sintomas, a sua procura na internet e depois quando ele vai ao médico para fazer alguns exames. Inicialmente, ele vai em um clínico geral, que acaba o indicando para um neurologista. E essa é uma das partes mais significativas desses primeiros episódios. Ele faz todos os exames. O médico fala: “Eu deveria ter falado para você vir com a sua família”. E ele responde: “Não tenho família, pode falar”. Depois (no parágrafo abaixo) você vai entender por que ele falou isso. Então, o médico começa a falar os sintomas, o que ele tem. O médico ficou o enrolado, então o Takuto fala: “ELA”. O médico fala: “Exatamente”. O Takuto já tinha procurado na internet e os sintomas estavam batendo com o que ele vinha sentindo. Ele começa a perder o movimento das mãos. No começo, durante o banho, ele consegue lavar o cabelo. Depois de um tempo, ele começa a ter dificuldade. 

  • 2. Alienação Parental: Tokuto é um rapaz japonês “comum”.  Ele decide ter a sua vida independente da sua família. Ele faz a faculdade que deseja, mas os seus pais queriam que ele fizesse medicina, pois o pai é médico. Ele não quis, mas o seu irmão mais novo quis. Então, a sua mãe privilegia o filho mais novo em tudo. Melhor local para dormir, melhor comida, casa limpa sempre. A vida dos pais é voltada para prover as melhores condições para que o filho mais novo consiga entrar na escola de medicina, se torne médico e assuma os negócios da família. O Tokuto? O que eles têm a ver? É bem essa a sensação mesmo. É revoltante. O Tokuto não reclama, ele apenas vai vivendo a sua vida sem reclamar. Tanto que na hora de receber o diagnóstico da sua doença, quando ele estava mais fragilizado, ele estava sozinho. Sempre foi apenas ele. Então, era apenas mais um momento da sua vida que estava sozinho. Ele tenta bastante conseguir um emprego. Participa de várias entrevistas, até que finalmente consegue. Só que será no mesmo dia que o irmão mais novo consegue entrar na faculdade de medicina. Ele liga para a mãe, e tenta conversar com ela, mas ela nem o deixa falar, pois estava tão animada que o filho mais novo tinha finalmente entrado na faculdade de medicina. O Tokuto só fez aceitar essa situação. Eu fiquei pensando “Reage”, mas ao mesmo tempo vendo a sua personalidade e até o meio que ele está inserido, se rebelar não era uma opção naquele momento. Estou ansiosa para saber como os pais dele irão reagir quando souberem a condição do filho. A Hashibe Astuko (roteirista do drama) deixou isso explicito. As situações são mostradas, para não deixar dúvidas da preferência dos pais. Estou cá pensando, será que eles pensam que o mais velho é mais independente? Não precisa de cuidados? No entanto, por uma cena vimos que a mãe do Tokuto não tinha ideia nem do que o filho gostava.
  • 3. Mercado de trabalho: Como citei acima, o Tokuto, assim como a sua futura namorada Hongo Megumi (Tabe Mikako), tentam várias entrevistas para conseguir um emprego. Ele tenta muitas e consegue como vendedor de colchão. Ele é super humilhado no ambiente de trabalho, mas como precisa do emprego, aguenta tudo calado. O superior sempre usa da fala: “Você tem um diploma, deveria ser mais rápido”. Sempre o colocando para baixo. 
  • 4. Suicídio: Em uma dessas entrevistas, ele acaba conhecendo um rapaz que estava tentando a mesma vaga que ele. O rapaz já tinha ido em quase 80 entrevistas e não consegue. Um dia depois, ele sabe que o rapaz se suicidou, pois não conseguiu uma vaga de emprego.

O drama gira em torno da sua descoberta com a doença, mas fiquei surpreendida com os demais assuntos que serão abordados. Inicialmente, ele não conta da sua doença para ninguém (até o terceiro episódio). Ele pensa em ser uma pessoa diferente. Em aproveitar a vida, ser mais leve. Tanto que ele começa a planejar uma viagem, assim do nada com a namorada. 

Na correria do dia a dia não aproveitamos a vida, mesmo quando pudemos fazer isso. Então, o drama também traz essa reflexão. Até que ponto aceitar tudo é bom? Esse drama é de 2014, mas ainda tem um assunto bem atual. Meu primeiro melodrama japonês e até agora estou amando. 

Outros pontos que são mega positivos nesses episódios: Os personagens começam a namorar, beijam e transam, tem uma vida normal. Adoro drama japonês porque não tenta manter muita coisa irreal. Namorados que transam, acontece no mundo inteiro. Uma observação. Embora na imagem ela esteja com esse jeito assustado, na cena, ela não estava com nenhuma cara de assustada. Esse ângulo na foto ficou péssimo. Além disso, a atuação dos atores e as situações são cruas, verdadeiras e reais. Um drama pesado, mas que não recomendo para pessoas sensíveis ou que não goste de dramas que são realistas ao extremo, mas que é necessário para mostrar a realidade de pessoas com doenças crônicas. 

O que espero que NÃO foque em nenhum momento? Um triângulo amoroso, que nesses primeiros minutos estava se desenhando. Espero que não foquem em nenhum momento, visto que, o drama gira nele e como a prota o ajuda a superar esses momentos e viverem momentos felizes até o fim da vida dele. 

Nota: De acordo com o site do Ministério de Saúde. ELA ou Esclerose Lateral Amiotrófica  é uma doença que afeta o sistema nervoso de forma degenerativa e progressiva e acarreta em paralisia motora irreversível. Pacientes com a doença sofrem paralisia gradual e morte precoce como resultado da perda de capacidades cruciais, como falar, movimentar, engolir e até mesmo respirar. O físico britânico Stephen Hawking, morto em 2018, foi um dos portadores mais conhecidos mundialmente da ELA.

Não há cura para a Esclerose Lateral Amiotrófica. Com o tempo, as pessoas com doença perdem progressivamente a capacidade funcional e de cuidar de si mesmas. O óbito, em geral, ocorre entre três e cinco anos após o diagnóstico. Cerca de 25% dos pacientes sobrevivem por mais de cinco anos depois do diagnóstico.

A descrição do seu nome, Esclerose Lateral Amiotrófica, significa: Esclerose – endurecimento e cicatrização. Lateral – endurecimento da porção lateral da medula espinhal. Amiotrófica – fraqueza que resulta na redução do volume real do tecido muscular, atrofia.

A ELA é uma das principais doenças neurodegenerativas ao lado das doenças de Parkinson e Alzheimer. A idade é o fator preditor mais importante para a sua ocorrência, sendo mais prevalente nos pacientes entre 55 e 75 anos de idade.

Desde 2009, o Ministério da Saúde, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), oferece assistência e medicamentos gratuitos, de forma integral, aos pacientes com essa doença, com base no que está cientificamente comprovado. Ainda não existem evidências em nível mundial de tratamento que levem à cura da doença.

One thought on “RESUMO DOS EPISÓDIOS 1-3 DE BOKU NO ITA JIKAN

  1. ASSISTI BOKU NO ITA JIKAN, LOGO QUE INICIEI NOS DORAMOS ACHO ESTE UM DOS MAIS LINDOS. FOI NESTE DORAMA QUE CONHECI O MIURA HARUMA E ME APAIXONEI POR ELE.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: