20/10/2021

Resenha: Pérolas No Mar

Filme: Pérolas No Mar

Ano de lançamento: 2018

País: China

Duração: 120 minutos

Direção: Rene Liu

Roteiro: An Wei, He Xinming, Pan Yu, Yuan Yuan

Elenco: Boran Jing, Dongyu Zhou

Onde assistir: Netflix

Sinopse: 

Jian Qing (Jing Boran) e Xiao Xiao (Zhou Dongyu) são dois jovens que se conhecem em um trem quando estavam voltando para sua cidade natal no interior da China, para comemorar o ano novo Chinês. Ambos moravam na cidade Yaojiang e nunca haviam se visto anteriormente, acabaram descobrindo que os dois foram para Pequim em busca de uma vida melhor. Dez anos após se conhecerem, eles se reencontram novamente e relembram como os dois costumavam ser no passado, “o nós, estavam analisando o eles do passado”. O que os levou a se separar? Como o destino de duas pessoas pode divergir e a vida acabar sendo aquilo que eles não esperavam? Pérolas no mar é uma lição de como você deve valorizar o seu amor hoje e agora, senão, pode ser tarde demais.

ESSE TEXTO CONTÉM SPOILER

Opinião

Hoje vim trazer resenha do filme Pérolas no mar, esse filme está disponível na Netflix e há algum tempo eu havia colocado em minha lista, mas sempre ia deixando passar, até que um dia, eu não estava com vontade de assistir nenhum drama e resolvi assisti-lo, e olha, que filme minha gente, que filme! Já vou logo dizendo que se você só gosta de coisa fofa, romancezinho e “final feliz”, recomendo que não assista, mas se quiser assistir, vá com a mente aberta e coração preparado porque a mensagem é dolorosa e é vida real. 

Pérolas ao mar (ou no inglês Us and Them) é um filme Chinês dirigido pela cantora e atriz taiwanesa Rene Liu, foi o seu primeiro trabalho, e foi sucesso de bilheteria alcançando 209 milhões de dólares apenas na China.

Xiao Xiao é uma moça que busca uma vida estável e sempre se relaciona com homens mais velhos e que já tenham algo construído, em busca de ter um lugar para morar, seu último namorado quase dá certo, porém, a mãe dele implicou e não deixou que os dois ficassem juntos. 

Jian Qing está esperando a pessoa “certa”, alguém por quem ele seja capaz de pegar as estrelas do céu e as pérolas do mar. 

Os dois se conheceram em 2008 quando estavam indo para sua cidade natal, para comemorar o ano novo, o trem quebra e os dois decidem sair e ir andando para casa. Nesse momento, somos transportados para 2018, agora, os dois estão dentro de um avião e a fotografia do tempo presente está em preto e branco, quando eu descobri o porquê, chorei horrores. Devido ao mal tempo, o avião não pôde decolar e o voo foi cancelado (When My Love Blooms é você?) devido a diferença de classe (do avião), ele conseguiu um quarto mais rápido que ela, e então decidiu dividir o quarto para os dois, a partir daí, entramos na história desses dois personagens.

Vou falar um pouco sobre alguns pontos que observei nesse filme:

  • REALISMO

Eu não tenho palavras para explicar o quão esse filme é realista. Normalmente, o que vemos em filmes, são as pessoas se conhecendo, namorando, algo os separa e depois eles voltam para viverem felizes para sempre.

Em pérolas no mar, você vai acompanhando a vida de duas pessoas que se conheceram e vão vivendo seu dia-a-dia de amizade até o momento de se apaixonarem, é tudo tão real que você pensa que talvez essa história poderia ser a sua ou de algum conhecido.

A química dos atores é impressionante e faz com que você torça por eles, não é atoa que Zhou Dongyu foi indicada na categoria de melhor atriz no Golden Rooster Award (premiação chinesa).

Os elementos utilizados como cenário, são bem reais. Vimos as condições de moradia do Jian qing, onde ele dividia o espaço com várias pessoas, que remete muito ao “apartamento-gaveta” , espaços divididos e alugados ilegalmente por preços altíssimos em Hong Kong.

Se a proposta do filme era ser realista, meta concluída com sucesso, os personagens passaram por várias etapas, se conheceram, tornaram-se amigos, acompanhamos suas lutas para se estabilizar em um emprego e ter sucesso profissional, assim como muitas pessoas que tem um sonho de empreender e ter seu próprio negócio, Jian Qing estava na luta para desenvolver seu jogo de computador. Brigas, desentendimentos e falta de comunicação, tudo o que acontece em relacionamento normal. Em cada elemento do filme, senti que poderia ser projetado na vida real de qualquer ser humano.

  •          MORAL

Esse filme teve uma moral incrível, os roteiristas poderiam fazer com que o final fosse feliz como todo mundo gosta, mas sabemos que a vida real não é assim. Somos responsáveis por nossas escolhas e há uma consequência para tudo, e quando chegamos no final, sempre nos questionamos “E SE”. E se ela não tivesse ido embora? E se ele tivesse entrado no trem e impedindo-a? E se eles tivessem conversado sobre quais eram os planos para o futuro? E se tivessem continuado namorando? Todos esses foram os questionamentos quando eles se encontraram 10 anos depois, ele já com filha e esposa e ela com a vida “ok”. 

“No fim temos tudo, mas não temos um ao outro”, o que pude sentir da mensagem passada e que foi colocada nos créditos também, é que não devemos vacilar no amor, não só romanticamente, mas também com aqueles que nos cercam, como pais e amigos, senão, pode ser tarde demais para dizer eu te amo ou eu sinto muito. 

No decorrer do filme, vimos o relacionamento do Jian Qing com o pai, os dois não conversavam muito, ele não tinha muita paciência com pai e no final, depois ele morreu, vimos a cena muito emocionante dele dizendo que deveria ter conversado mais com o pai, que deveria ter procurado saber como ele se sentia, deveria ter tido mais paciência ao ensina-lo a mexer no controle remoto e deveria ter dito eu te amo e sinto muito pelas coisas ruins que falou, mas naquele momento já era tarde demais e ele não poderia mais fazer nada disso.

Eu me senti muito pesada após assistir esse filme, a mensagem foi muito real e impactante, a história foi bem contada para fazer você entender no final qual era a mensagem dela. Uma dica, assistam até o final, pois lá, vão aparecer algumas mensagens de pessoas reais, coisas que elas queriam ter dito ou feito com seus ex amores, foi muito lindo e acrescentou mais lágrimas aos meus olhos.

  •         COERÊNCIA

Terminei de assistir When My Love Blooms semana passada e quem viu, sabe que o roteiro transitava entre presente e passado, logo no começo, pérolas no mar fez essa transição, tanto que até perguntei se estava assistindo ao drama. 

Os personagens se encontram na véspera do ano novo chinês em 2018, e eles se conheceram na véspera do ano novo chinês de 2008, e uma coisa que me chamou atenção foi ela dizendo que sempre que se encontravam no ano novo, algo ruim acontecia, e no decorrer da história, vimos que, eles se conheceram na véspera do ano novo, começaram a namorar no ano novo, brigaram no ano novo e se separaram no ano novo, ter essa percepção foi uma coisa bem coerente na história.

Como falado no início, o Jian Qing estava criando um jogo, nesse jogo, havia a Kelly e o Ian. Ian acreditava que sua amiga Kelly havia sido sequestrada por alienígenas e ele partia em uma missão para encontrá-la. Xiao Xiao então pergunta o que aconteceria com o Ian se ele não encontra-se a Kelly, ele então respondeu “seu mundo nunca seria colorido”, nesse momento eu estava como? Pegando todos os meus lenços e me derramando em lágrimas, e então entendi porque a fotografia do presente estava em preto e branco, o Ian (Jian qing) nunca encontrou a Kelly (Xiao Xiao), ou seja, eles não ficaram juntos, isso foi muito incrível, eles transmitiram a mensagem através do jogo e da cor da imagem. A fotografia desse filme também nos transmite os sentimentos dos personagens, de cores vibrantes quando estão alegres a tons mais escuros quando estão tristes, e por fim, o motivo do meu desastre emocional, preta e branco que traz não só o sentido dos dois não terem se “encontrado”, mas também nos transmite todo aquele sentimento melancólico.

Acho que os dois não ficarem juntos não é o grande spoiler, a mensagem que vai ser passada que é a grande sacada, pois poderia ser só mais um casal que se separou, mas colocaram vários elementos e mostraram “estão vendo isso? Não façam igual, senão pode acabar igual eles, se amando, mas estando separados, é isso que vocês querem?” Eu estava preparada para tudo, até para um deles morrer, mas mesmo estando preparada para eles não ficarem juntos, eu não estava preparada, entendem? Realmente ver se concretizando foi me quebrando por dentro, foi doloroso, mas eu entendi, afinal, a vida é assim.

Só tem uma coisa que eu acho que poderia ter sido melhor nesse filme, a cronologia, acredito que sinalizar a passagem do tempo teria sido excelente, muitas vezes fiquei perdida, não sabia se tinha se passado um dia ou um mês, e as coisas aconteceram e fiquei me perguntando em quanto tempo isso havia acontecido. Tanto que tive que voltar algumas vezes para poder me situar, acredito que isso atrapalhou um pouco a coerência do filme, mas nada que prejudicasse a mensagem final ser passada com clareza.

  •          INTENSIDADE

Sem sombra de dúvidas a intensidade desse filme foi forte, eu me emocionei demais, só ao lembrar algumas partes começo a chorar, a moral foi perfeita e a coerência quase perfeita, consegui ficar impactada com tudo nesse filme. A mensagem do jogo? “Ian sempre amará a Kelly” alguém me socorre, por favor? Eu não estou bem. O Ian encontrando a amiga e seu mundo se colorindo, a sensação foi indescritível.

E por fim, após o reencontro e o acerto, Xiao Xiao pode enfim colorir sua vida e tentar encontrar um outro alguém que seja capaz de lhe dar as estrelas do céu e as pérolas do mar.

  •       COMPLEXIDADE

No meu ponto de vista, não acredito que o roteiro tenha sido complexo e isso foi o que me conquistou, o que não quer dizer que o filme não tenha sido bom, a narrativa foi autoexplicativa e não precisei pensar muito para entender, as coisas estavam ali na cara e a única coisa que eu podia fazer era aceitar e chorar.

  •        ORIGINALIDADE

O roteiro não foi uma coisa “nossa, essa história foi muito original, nunca tinha visto”, e repito, e foi isso que gostei muito, porque pude me sentir na história, pude sentir as mesmas coisas que os personagens e pude me identificar com eles. A história foi escrita e dirigida, e a fotografia então nem se fala, foi o que deu uma intensidade a mais para toda a narrativa, e mais uma vez digo, a mensagem foi a que arrebatou e ficou. 

Acredito que um roteiro não precisa ser mirabolante para ser bom, basta ser fidedigno e consegui transmitir o sentimento que até uma história simples como o começo e término de um namoro, pode acabar se tornando incrível.

Nota: 9,5 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Não preciso dizer que recomendo né? Esse filme entrou no meu coração e na lista de favoritos. Gostei que não envolveu traição, foi quase, bem quase viu? Infelizmente, tem coisas na vida que a gente deixa passar e o que podemos fazer é seguir em frente e lembrar com carinho do que vivemos, mesmo que isso doa. Os dois dizerem que sentiam a falta um do outro foi o ponto de libertação, eles precisavam desse encontro para finalmente tentar seguir em frente. O trem quebrou, o voo cancelou e a estrada fechou e lá estavam eles mais uma vez.

Que possamos reconhecer nossos erros, tentar nos comunicar e estar na mesma página, para que as adversidades possam ser superadas juntos. Achar que sabe o que o outro precisa, nunca é de fato saber, e para isso, precisamos praticar uma coisa que muito de nós não fazemos, que é a conversa, através da conversa, podemos fazer as coisas corretas para que não nos arrependamos no futuro. 


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores originais e não refletem necessariamente a opinião das Coreanas de Taubaté.

Vivian Kelen
Vivian Kelen

Assisto dramas desde 2018 e “para todos os garotos que já amei” me trouxe até esse mundo. Minha missão nessa terra é espalhar a palavra da dramalandia. Meus dramas favoritos são Black Dog e Stove League. E não se esqueçam, amem Stray Kids.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: