24/10/2021

IT’S OKAY, THAT’S LOVE – EPISÓDIOS 5-6

Esse texto contém spoilers

ALERTA GATILHO DE SUICÍDIO

Eu dou graças a deus que o drama está chegando na segunda fase, se eu tivesse que aguentar essa personalidade chata da Hae Soo por mais um tempo, eu ia entrar na tela e explodir esse drama, qual a necessidade de ser tão chata assim? A pessoa é grossa de graça, ela se tornou a versão feminina do Jae Yeol. “Ah, mas ela tem os traumas e ansiedade dela”, o próprio Dong Min falou que o temperamento dela é pior do que a doença, por aí já tiramos né? E tudo isso porque ela simplesmente percebeu que está atraída pelo Jae yeol, e parece que os roteiristas coreanos nunca conseguem fazer uma mulher reagir normalmente a isso, sempre tem que fazê-las surtar.

Fomos apresentados ao amigo de Hae Soo chamado Yoon Chul, o tal que está no papel de parede do celular dela. Como o Soo Kwang disse, ele é muito sexy, homem de verdade, é um cara incrível, se casou com sua namorada mesmo ela tendo esquizofrenia, foi expulso da família rica dele por se casar com ela. Hae Soo ficou muito incomodada por estarem expondo a situação deles dessa forma, então Dong Min falou a seguinte frase: “pessoas que sofrem de câncer, que tiveram um membro amputado e deficientes, recebem a compaixão dos outros, mas as pessoas que sofrem de doenças mentais são rejeitadas. É como se estivessem contaminadas. Todos são propensos a um colapso mental se sofrerem uma experiência traumática, mas agem como como se jamais fosse acontecer com eles”. 

A namorada do Yoon Chul tem esquizofrenia (na legenda do Kocowa está esquizoide (transtorno de personalidade esquizoide), que é outra coisa, e fui pesquisar os sintomas, e a personagem não mostrava as características de esquizoide. Porém, na legenda do Viki está Esquizofrenia) ela está grávida e está com medo de tomar os remédios porque teme que possa afetar o bebê e isso está deixando-a muito incomodada. Mesmo após Hae Soo ter conversado com ela e tentando explicar que tudo bem tomar o remédio, ela não ficou bem e tentou cometer suicido. Devo dizer que, pra mim, foi uma cena um tanto engraçada, não sei se foi só eu tive essa percepção, porém, pensando aqui, isso foi um tanto irresponsável retratar uma tentativa de suicídio dessa forma. Gente se afogando, a “salvação” bem caricata. Eu entendo que é um drama de comédia, mas suicídio é uma coisa muito séria para se fazer graça.

Eu gostei bastante de quando falaram que certas situações são difíceis de suportar só com amor, porque sabemos que amor não cura tudo, mas lhe dá forças, e saber que tem uma pessoa lhe apoiando e que lhe ama, é imprescindível.

Começamos a entrar na história de Jae Yeol e saber dos abusos sofridos quando criança, descobrimos o porquê de ele dormir no banheiro (aposto que muitas pessoas nem se tocaram que o onde os dois estão deitados no pôster do drama, é uma banheira). E achei bem interessante como o Gang Woo reflete o que o Jae Yeol era no passado. Eles focam bem nos pés e cicatrizes no rosto, o jogo de câmera é o mesmo (de quando o Gang Woo está fugindo do pai) e podemos perceber que é tudo muito parecido.

Achei a história dos camelos bem interessante, que mesmo desamarrados, não fugiam porque lembravam de estarem amarrados e como isso se assemelha aos nossos traumas, “é igual quando nos lembramos das coisas ruins do passado, a dor e trauma do passado nos mantém amarrados pelo tornozelo”.

Nesses episódios também houve beijo, foi um beijo um tanto impulsivo por mais que ela tenha correspondido depois, foi sim praticamente um beijo meio que forçado. E Dong Min chega até a falar em assédio, apesar Hae Soo falar que não, que sente algo por ele também, mas fica aí o questionamento. Dong Min também a faz perceber como sua ansiedade está dominando suas atitudes e quando foi beijada por Jae yeol, ela não pensou na mãe, o que acontecia nas outras vezes. A carinha do Soo Gwang dizendo eu tinha inveja da Hae Soo me deixou comovida, ele também queria poder superar sua síndrome.

A cena onde o Jae Yeol ajuda o Gang Woo me deixou bem impressionada e fiquei pensando como o nosso cérebro é incrível e o que ele faz para se proteger dos traumas vividos. Falando em Gang Woo, pudemos perceber como ele vai sumindo nas partes mais cruciais, para irmos percebendo aos poucos o que está acontecendo.

Uma coisa bem problemática pra mim quando assisti e assistindo novamente agora, foi a bendita comemoração de aniversário de divorcio, o Dong Min estava dando toda margem para Young Jin ter esperança de um dia retomar o casamento deles novamente, mesmo ele já estando casado com outra pessoa, tanto que ela ficou chateadíssima porque não foi só eles dois para a “comemoração”, sei que ele quis manter a amizade depois de tudo, mas desse jeito fica bem difícil, ele vai dar um corte nela, mas só mais para frente, depois de muito tempo de espera e expectativa.

Fomos apresentados ao transtorno dismórfico corporal (mas os médicos também suspeitam de esquizofrenia) que é um transtorno onde o paciente se incomoda ou se preocupa demais com alguma parte do corpo, achando que tem algum defeito, quando na verdade é perfeitamente normal e a maioria das pessoas com esse transtorno não sabe que sabe que são normais, o paciente apresentado cortou o próprio braço, pois se incomodava demais com ele. Quando recuperado, Young Ji perguntou aos residentes que tipo de abordagem sugeriam para o paciente e Hae Soo disse nenhuma porque ele não tem força de vontade (oi?) fiquei bem incomodada com isso, não lembro o que acontece, mas acredito que nos próximos episódios, isso vai ser resolvido. Vimos também a paciente que ficou vendo seu bebê, mesmo depois de morto devido a estresse pós-luto e dilema da equipe, entre fazê-la parar de ver o bebê e quando isso acontecesse, ela caísse uma depressão profunda. Por fim, usaram o Amital (medicamento com propriedades sedativos-hipnóticas) para fazer com que ela lembrasse do dia do acidente e enfim pudesse superar o luto.

Falando em amital, vemos a saga de Jae Beom para conseguir roubar o amital para aplicar em Jae Yeol, para fazê-lo falar a verdade sobre a morte do padrasto. A cena termina com ele injetando o remédio no irmão.

Ponto positivo: pensei muito sobre quais seriam os pontos positivos desses episódios, e acredito que como a história vai desenrolando e aos poucos vamos conseguindo ver os traumas do Jae Yeol e como toda a situação nos mostrou o Gang Woo começando a desaparecer do nada para começarmos a ter certeza do seu estado psicológico.

Ponto negativo: a cena de suicídio realmente foi um baque pra mim, eu não havia percebido como foi caricata, quando vi a cena eu pensei que até de suicídio eles consegue fazer uma coisa engraçada, só depois que eu consegui perceber como esse pensamento havia sido errado. Todo o comportamento da Hae Soo me incomodou bastante. Eles continuam fazendo descaso da situação dos pacientes, bem como o que cortou o braço, sabemos que na vida real pode não haver uma segunda vez, por isso os médicos precisam agir com o máximo de rapidez para tentar ajudar o paciente. E uma coisa que não cheguei a comentar lá em cima, ainda tem a menor em toda essa história, eu não sei qual a idade do Soo Gwang no drama, mas ele é de maior e ela é uma estudante, bem problemático isso.

Moral da história: decepção, eu já sabia que ia me decepcionar se assistisse novamente ao drama, mas não sabia que era tanto, querendo chegar logo na segunda fase para poder melhorar minha visão dele, mas não dá para apagar o que aconteceu até aqui, mas pelo menos com relação aos problemas psicológicos, não tenho muito que reclamar, informações rápidas e claras, sem se aprofundar muito para não ter perigo de falar besteira.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: