22/05/2022

Aplicativos de cirurgia plástica na China: Deslize para comprar um novo rosto

Escrito por: Julia Zaugg, CNN

Contribuidores: Stella Ko, CNN, Natalie Leung, CNN

Wu Xiaochen disse que tinha 14 anos quando fez seu primeiro procedimento estético (lipoaspiração) paga por sua mãe para reduzir gorduras da suas coxas.

Nesse tempo ela disse que tinha sido diagnosticada com uma doença autoimune que exigia que ela tomasse glicocorticoides, um tipo de esteroides hormonais.

“Eu ganhei muito peso e me senti muito desconfortável na minha pele,” disse Wu, agora com 30 anos uma modelo e empreendedora em Beijing. “Eu me senti muito mais confiante mais tarde.”

Em 16 anos desde seu primeiro procedimento, Wu afirma ter feito 100 cirurgias, custando impressionantes 4 milhões de yuanes (em torno de 574,000 dólares).

Ela é hoje uma defensora famosa da indústria e já abriu duas clínicas de beleza oferecendo cirurgias estética em Beijing.

O potencial mercado de Wu é grande.

Wu Xiaochen na mesa de operação 

Um crescente número de mulheres chinesas estão fazendo cirurgias estéticas para ter olhos grandes, maçãs do rosto altas, narizes estreitos e pernas magras. Como Wu, muitas estão doentes por disputar uma beleza ideal inspirada em elementos de livros de mangas japoneses, k-pops sul coreanas e cultura ocidental.

Em 2014, mais de 7 milhões de pessoas chinesas tinham cirurgias plásticas, de acordo com Associação Chinesa de Plásticas e Estética. Apenas três anos depois, dados reunidos pela Filial de consultores da Frost & Sullivan em Xangai sugeriram que esse número subiu para 16,3 milhões.

De acordo com profissionais entrevistados pela CNN, a onda de cirurgias plásticas na China é em partes ocasionado por uma série de apps como So-young e GengMei, que permite que pacientes em potencial se vejam antes e depois nas fotos, livros de cirurgias e até mesmo solicitar créditos para pagar por eles.

“Na China, é muito difícil encontrar informações confiáveis em clínicas, especificamente em cidades menores,” explica Tony DeGennaro, Co-fundador do Social Dragon, uma agência de inteligência de mercado chinesa. “As pessoas não confiam mais nos resultados da pesquisa feitos por (mecanismo de pesquisa) Baidu, após vários escândalos médicos envolvendo a plataforma, de modo que esses novos apps passaram a ser diretórios não oficiais de cirurgiões.”

Escritora Julie Zaugg mostrando o recurso de análise facial do app GengMei.

‘Bela, mas não o bastante’

Wu cresceu em uma família de classe média em Shenyang, uma grande cidade industrial no nordeste da China. Quando adolescente, ela estudou arte e sonhava em se tornar famosa. Uma atriz ou talvez uma modelo.

Mas ela pensava que não era bonita o suficiente e se sentia insegura “olhos pequenos e rosto redondo.” Então depois de seu primeiro procedimento bem sucedida ela disse que logo escolheu fazer uma lipoaspiração facial — para fazer seu rosto parecer fino removendo algumas gorduras — e depois a cirurgia de contorno facial, para ter uma imagem mais angular ela colocou implantes de silicone nas maçãs do rosto.

Com 16, ela disse que tinha a ponta do nariz elevado, para parecer mais alto e longo. Isso foi seguido por cirurgias de mandíbula para ter uma forma em V, implantes de seios e o procedimento de pálpebras duplas para adicionar vincos em suas pálpebras e fazer seus olhos pareceram maiores. “De dois a três anos, eu tenho feito alguns procedimentos,” ela disse. “Cirurgias tem sido como um vício para mim”

Wu xiaochen, vemos ela aqui criança, uma adolescente e uma adulta, tem transformado progressivamente seu rosto e corpo, tendo mais de 100 cirurgias em um espaço de 15 anos.

Muitas das chinesas que vem fazendo cirurgias estéticas são jovens e vivem nas cidades de segundo e terceiro níveis do país, de acordo com a matéria publicada em 2019 pela So-young, baseada nas análises de seus próprios dados e visitas a clínicas.

Mais da metade tem 26 anos, diz a matéria. Para por isso em perspectiva, cirurgias estéticas em pacientes entre 30 anos representam 6% do total dos Estados Unidos.

Uma mulher fotografada dentro do Hospital de Cosmetologia Médica Huamei em Xangai.

Apps de cirurgias plásticas.

Apps que combinam pacientes com cirurgiões e clínicas são incrivelmente populares na China.

O maior, GengMei, tem 36 milhões de usuários e listas com quase 20.000 cirurgiões na plataforma, uma porta-voz da empresa confirmou. Tencent (maior portal de serviços de internet da China) apoiado pela So young tem 2.47 milhões de usuários ativos por mês e quase 6.000 cirurgiões listados, de acordo com a porta-voz da So young.

Esses apps disponibilizam testemunhos dos pacientes que passaram por cirurgias plásticas, com fotos de antes e depois, bem como revisões de cirurgiões.

Escritora Julie Zaugg mostrando o recurso de análise facial do app GengMei.

GengMei tem um recurso de realidade aumentada que pode analisar um rosto e dar-lhe uma nota de 100 com base em critérios como sua vivacidade, atratividade e simetria. Isso faz com que essas sugestões por cirurgias plásticas aumentassem, tal como ter pálpebras refeitas ou obter enchimentos.

“Através do app do GengMei, nós podemos acessar todas as informações médicas sobre beleza sem nem mesmo sair de casa” disse Wu.

“Isso é um reflexo do desenvolvimento da nossa sociedade, isso é um microcosmo da nossa mudança de vida.”

O app ainda dá aos usuários acesso a micro empréstimos por meio do serviço de empréstimo Huabei da Alipay para pagar pela cirurgia.

Folhetos no Centro de Cirurgia Plástica e Reconstrutiva do Hospital Sanatório mostram a variedade de procedimentos que podem ser realizados.  Crédito: Julie Zaugg

Ofertas especiais 

Durante as férias de verão, um período em que jovens mulheres se submetem as cirurgias plásticas para dar a elas um novo visual antes do ano letivo começar, algumas clínicas oferecem descontos e pacotes especiais, diz alegre, professor da Universidade de Hong Kong. “Garotas fazem procedimentos em grupos, para aproveitar as ofertas como o de três procedimentos pelo preço de dois”

Nessas clínicas, cirurgia de pálpebra dupla podem custar apenas 1,000 yuan ($142), de acordo com DeGennaro, da Dragon Social.

Pacientes saudáveis optam por ir a clínicas da Coreia do Sul, Tailândia ou Hong Kong para fazer os procedimentos, diz Lam. “Elas acreditam que os médicos são mais confiáveis.” Ela completa.

Uma dessas clínicas fica no One Pacific Place, um bloco de escritórios construído acima de um luxuoso shopping no centro de Hong Kong.  Decorado com sofás bege, arte vanguardista e enormes janelas que oferecem vistas panorâmicas sobre o porto, parece mais um spa sofisticado do que uma clínica.  Mas é um posto avançado do Sanatório e Hospital de Hong Kong, uma das instalações médicas privadas da cidade.

“Nós temos muitos pacientes da China continental” disse Dr. Gordon Ma, quem dirige o centro cirurgias plásticas e reconstrutivas do hospital. Entre as mais jovens, a cirurgia de pálpebra duplas é a mais popular, ele disse.

Gordon Ma diretor do Centro de cirurgias plásticas e reconstrutivas do hospital, uma clinica localizada em um luxuoso shopping no centro de Hong Kong. Ele tem muitos pacientes da China continental.

Encontrando um novo visual 

Com seus grandes olhos, narizes altos e boca carnuda, Wu não se parece nada com aquela adolescente envergonhada das fotos antigas de família.

“Por um bom tempo tentei copiar o rosto da Angelababy,” ela disse, fazendo referência a uma famosa atriz e modelo chinesa. “Mas com o tempo me afastei desse modelo e comecei a desenvolver meu próprio visual, misturando e combinando características que combinam com meu rosto e minha personalidade.”

Uma foto de Wu Xiaochen após fazer uma cirurgia de nariz.

Agora quando ela se olha no espelho, ela diz ver “uma melhor versão dela.”

O rosto de Angelababy e a fã da atriz Bingbing tem sido tradicionalmente usada como referência para jovens nas cirurgias plásticas. 

Wu disse é porque eles incorporam a norma “três cortes e cinco olhos”, que demonstra a perfeita proporção facial que tem a largura de cinco olhos, e tem o comprimento de três “cortes” iguais: da testa para a sobrancelha, da sobrancelha para a extremidade do nariz, da extremidade do nariz ao queixo.

Para ter esse visual, algumas mulheres precisam de cirurgias. Outras optam por preenchimento de ácido hialurônico baratos e fáceis de reverter.

“Eles podem ser usados ​​para engordar as maçãs do rosto, tornar o queixo mais pontudo ou até mesmo aumentar o nariz, um procedimento conhecido como rinoplastia não cirúrgica”, disse Lam, a cirurgiã plástica.

Algumas mulheres vão mais longe e são submetidas a grandes operações, como usar algumas costelas ou ossos do quadril para tornar o nariz mais afiado e comprido, de acordo com Lam.

Populares visuais (da esquerda para direita) atriz chinesa Angelababy, a boca “M shaped” (lábios em forma de M) da atriz coreana Yoon Eun Hye, atriz coreana Ku Hye Sun com seu “rosto de bebê,” e a modelo chinesa Liu Wen com sua pálpebra única.

Mas algumas pacientes chinesas de cirurgias plásticas tem se afastado dessas ideias de belezas de celebridades famosas. “Eles procuram looks mais individualistas, por exemplo, um rosto com características de elfo ou até mesmo um rosto cansado do mundo com uma qualidade vivida”, disse DeGennaro.

Muitas dessas novas tendências são visíveis no GengMei. Entre os looks mais populares discutidos no aplicativo é o “M shaped lip” lábio em forma de M, o que significa um lábio inferior com uma covinha no meio.

Uma usuária disse que decidiu injetar ácido hialurônico nos seus lábios para copiar o “M shaped” das atrizes sul coreanas Yoon Eun Hye e Lee Sung-kyung.

Outro visual procurado é descrito como “baby face” (rosto de bebê). Isso envolve todas as características do rosto com um contorno suave, queixo curto, uma testa proeminente, olhos grandes e um nariz pequeno, de acordo com a descrição no app. Preenchimentos faciais, assim como cirurgias de olhos e nariz, são recomendados para obter esse visual.

Outro tópico popular no GengMei é como tornar a pálpebra única mais atrativa, ao invés de optar por uma cirurgia de pálpebra dupla. Isso pode ser obtido alongando a pálpebra superior e certificando-se de que não sejam flácidas ou excessivamente grossas, escreve um usuário, referindo-se às pálpebras únicas da modelo chinesa Liu Wen e da estrela taiwanesa Jacklyn Wu Chien-lien. Parte da pele é removida da parte interna e externa da pálpebra, um procedimento denominado cantoplastia.

Clínicas perigosas.

Mas nem todas as cirurgias são de sucesso.

A mídia chinesa regularmente notícia casos de pacientes que sofrem de efeitos colaterais ou até mesmo morrem na sala de operação. Casos de negligência médica costumam ocorrer em pequenas clínicas não licenciadas, sem as autorizações necessárias para a realização de cirurgias.

“Algumas dessas clínicas usam preenchimentos de baixa qualidade e injetáveis antienvelhecimento com contaminantes ou menos partes ativas do que deveriam,” diz Lam. Ela lembrou uma série de casos em 2016 em que pacientes de Hong Kong foram para China para injetáveis antienvelhecimento e voltaram com botulismo (uma doença causada pela toxina do botulismo) e acabaram na UTI com dificuldades respiratórias.

Ma do hospital e sanatório de Hong Kong regularmente vê pacientes precisando de cirurgias corretivas depois de entrar na faca no exterior, incluindo na China. “Ele virão por exemplo com um olho que não pode ser fechado corretamente devido a um estrago na cirurgia de pálpebra duplas,” ele disse.

Beijing tem começado a reprimir os não licenciadas e desqualificar clínicas.

Comissão Nacional de saúde da China identificou 2.772 casos de cirurgias plásticas ilegais, durante um ano inteiro de operações começando em maio de 2017. Isso conduziu a mais de 1.200 acusações de crimes, de acordo com o governo. A comissão está considerando estabelecer uma lista negra de cirurgiões perigosos.

Wu Xiao Chen dá mérito a sua transformação física por hoje ter capacidade de ser modelo para marcas internacionais.

Wu também passou por experiências ruins. “Uma clínica em Beijing usou um molde L-shaped para dar uma nova forma para meu nariz, mas minha pele estava tão esticada depois do procedimento que eu pude ver a luz através dele.” Ela disse que teve que fazer uma cirurgia reparadora depois.

Apesar dos riscos, a China está rapidamente ultrapassando os Estados Unidos no total de números de procedimentos feitos.

Em 2023, o total de rendimento esperado é mais de 360 bilhões de yuan ($52 milhões), de acordo com o prospecto da So Young, que cita números dos consultores Frost & Sullivan.

Por Wu, a evidência de que a indústria está crescendo está ao seu redor.

“10 anos atrás era difícil encontrar uma pessoa que tinha feito cirurgia plástica mas hoje em dia é difícil encontrar alguém que não tenha feito.”

Fonte: CNN.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores originais e não refletem necessariamente a opinião das Coreanas de Taubaté.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: