22/05/2022

Resenha: Vertigo

Nome: Vertigo/버티고
Diretor: Jeon Kye Su
Roteirista: Jeon Kye Su
Gênero: Drama e Romance
Lançamento: 16 de outubro de 2019
Idioma: Coreano
País: Coreia do Sul
Onde Assistir: Subarashiis Fansub

Sinopse: Seo Young (Chun Woo Hee) é uma mulher solteira na casa dos 30 anos e trabalhadora contratada em uma empresa. Ela sonha em ter uma vida estável, mas sua realidade está longe disso. Ela é insegura em seu relacionamento com o namorado Jin Soo (Yoo Teo), que trabalha na mesma empresa. Seo Young não tem certeza se a empresa vai prorrogar seu contrato. Sua mãe fica histérica com ela ao telefone. Seo Young se cansa de sua vida diária. Por algum tempo, ao entrar no escritório de sua empresa em um prédio alto, ela sentiu tonturas e zumbidos nos ouvidos. Durante esse tempo, seu namorado Jin Soo de repente se demite da empresa. O estresse de Seo Young fica ainda pior. Ela olha pela janela do escritório e vê Kwon Woo (Jeong Jae Kwang). Ele é um limpador de janelas.

ESSE TEXTO CONTÉM SPOILERS

OPINIÃO

Fiquei em dúvida se fazia essa resenha ou não, não queria fazer algo superficial e sem conteúdo, mas ao mesmo tempo queria contar minha perspectiva sobre Vertigo, que para mim, foi um tanto diferente, e eu experimentei alguns altos e baixos de emoção até realmente entender o que estava acontecendo. 

Assisti ao filme duas vezes, a primeira enquanto estava legendando e a segunda enquanto estava revisando minha legendagem. E confesso que da primeira vez, não prestei muita atenção e não entendi nada do que estava acontecendo, até mandei mensagem na Thais (porque foi ela quem recomendou o filme) para perguntar qual era o ponto chave do filme, já que eu sou a louca que não gosta de ler sinopse nem informação sobre as coisas, e gosto de me surpreender com o que vem, mas dessa vez estava realmente perdida porque o filme já estava passando dos 40 minutos e nada de eu conseguir entender o que se passava.

E quando ela me disse que era sobre cura, na hora eu pensei: “estou esperando até agora esse momento”, mas como no primeiro momento eu estava focada em outra coisa, não consegui captar os detalhes do filme, até que na segunda vez fui vendo cada coisa e encaixando as peças.

1 – ROTEIRO

Falando um pouco sobre o roteiro, confesso que achei um pouco confuso, e você realmente precisa estar focado porque senão, vai se perder e não vai conseguir entender o que está se passando, porque a história não sinaliza. Bem como na parte que o Kwon Woo conversa com a irmã dele, é bem obvio que é uma lembrança, mas eu não percebi, já que ele estava no “cemitério” com o pai, e do nada corta para cena deles dois conversando, só depois percebi que era um flash do passado dois e que ela tinha morrido. Depois que vim me tocar também, que as lives que ele assistia, era da irmã e que o cachorro que ele cuidava também era dela, então, o roteiro não contou “OLHA, A IRMÃ DELE MORREU E ATÉ AGORA ELE NÃO SUPEROU”, você que lute para perceber isso (risos) tanto que logo no início, eu pensei que ele era só um pervertido assistindo a live de uma garota. E depois que foi fazendo sentido quando a Thais falou que a trama se tratava de cura.

A história foi contada para você se sentir bem próximo dos personagens, teve uma cena na qual Seo Young estava sufocada, e colocaram uma câmera frontal, que na hora em que ela estava correndo, toda a agonia era perceptível e confesso que fiquei extremamente agoniada. E acho que se o filme fosse mudo e tivesse só alguns letreiros nas partes principais, eu teria a mesma sensação, sinto que a história foi feita para ser sentida em silêncio, nas expressões dos personagens, e nas situações deles, tanto que o filme não teve tanto diálogo, a interação foi em silêncio, e eu surtei demais quando assisti e me atentei aos detalhes. Nem o momento de conversa entre ela e o namorado foi mostrado, só a mostrou saindo do bar e como estava decepcionada, e me veio à mente aquela frase “não sei nem o que dizer, só sentir”, porque foi essa exatamente a sensação durante o filme inteiro.

Uma coisa bem legal, que a cada troca de cena, aparece a data e uma “previsão do tempo”, e isso dita como vai ser a próximo bloco, bem como na parte ‘poluição extrema de poeira fina’, onde mostra todo o momento tóxico entre a Seo Young e sua mãe, onde descobrimos que seu problema auditivo aconteceu porque foi espancada pelo pai e ele estourou seus tímpanos, e temos também o ápice do relacionamento das duas, onde a Seo Young pede para a mãe não entrar mais em contato. O bloco onde diz ‘alerta de tufão’, é quando ela descobre que seu namorado Jin Soo estava saindo com um homem e que foi pego pelas câmeras de segurança, transando com ele no escritório, Jin Soo também fazia isso com ela. Acho que esse foi o grande plot twist da trama, e eu fiquei chocadíssima, porque toda desgraça para pobre é pouca.

 Acho que o final foi bem típico de filme coreano, onde eles liberaram toda suas dores e sofrimento e em um beijo, e como ela disse “é um beijo longo, agora eu quero subir” e isso fez todo sentido, pois ali Seo Young pareceu descobrir que não queria cair de vez, mas sim esquecer a última estação e se preparar para a próxima, com uma nova pessoa que irá ajudá-la. 

Sobre o título do filme, primeiro eu achei que era sobre o bar que o nome é vertigo, mas obvio que faz mais sentido ser sobre a vertigem, que é um tipo de tontura em que há perda do equilíbrio corporal, com a sensação de que o ambiente ou próprio corpo está rodando, geralmente, acompanhada por náuseas, vômitos, suor e palidez, podendo também surgir com zumbido ou diminuição da audição. Vertigem é a sensação que a personagem sente durante todo o drama, devido ao seu problema auditivo, e se pudermos também fazer uma comparação entre o que ela passou durante o filme, é bem isso, ela estava ali em um relacionamento “escondido” e depois descobriu que estava sendo traída e perdeu todo o chão, depois teve todo o problema com o chefe, até o momento que decidiu se render e cair de vez, mas foi detida pela corda e pelo Kown Woo.

2 – AMBIENTE DE TRABALHO

Como plano de fundo, temos uma perspectiva do ambiente de trabalho, relacionamentos amorosos nesse ambiente, assédio moral e sexual, e como os funcionários contratados ficam com aquela insegurança de como vai ser sua vida, se vão renovar seu contrato ou não. Como algumas pessoas são mau caráter e sujas e fazem qualquer coisa para se aproveitar dos outros. Nada disso é tratado com muita profundidade, é só um pano de fundo mesmo, mas é bem interessante ver os acontecimentos e quem sabe talvez tentar agir diferente. Já sofri assédio moral, e sei como é difícil para algumas pessoas reagir na hora, mas hoje eu digo que se acontecer de novo, vou fazer questão de colocar a pessoa no lugar dela.

3 – RELACIONAMENTO FAMILIAR

Como já falei um pouco ali em cima, o filme mostra um pouco do relacionamento da Seo Young de sua mãe, e podemos perceber como relacionamento familiar também pode ser tóxico. A mãe vive em um relacionamento ruim e sempre recorre à filha quando precisa dinheiro, só liga para ela para cobrar, a conversa se inicia com “como você está?”, depois começa a falar do porquê a vida está ruim e por último vem a cartada final “o dinheiro não caiu”, “preciso de dinheiro”. 

É um padrão que acontece e você vai percebendo no decorrer do filme como isso deixa a Seo Young mais sufocada ainda, no momento em que ela estava sofrendo e não podia conversar com ninguém, afinal, ninguém sabia que ela estava namorando, teve que aturar a mãe em casa que brigou com o marido e veio sobrecarregá-la e dizer que ninguém a entendia ou ligava para o seu sofrimento, confesso que foi bem difícil de aturar toda a situação, e provavelmente a situação irá continuar assim até a mãe morrer, afinal, muitas vezes pensamos: “é família, não devemos abandonar”, apesar de muitas vezes eu pensar que, porém depende, mas é muito mais fácil falar do que fazer, e é ótimo dar pitaco na vida alheia, né? 

4 – ROMANCE 

O filme tem tag de romance, como vimos, no começo Seo Young entra em um relacionamento em “segredo” com o chefe mais cobiçado da empresa inteira, aos poucos ela começa a tentar com que ele divulgue o relacionamento dos dois, e até pergunta quando será apresentada ao filho, e ele diz que o menino já tem namorada, mas um bloco antes, mostra a foto do filho dele na mesa, e é uma crianças de mais ou menos uns 10 anos, então por aí já tiramos, como era a pessoa. E até que descobrimos que Jin Soo também estava em um relacionamento com outro homem, e que foi pego pelas câmeras de segurança do escritório, enfim, só ladeira abaixo. 

E nesse meio tempo, as interações de Seo Young e Kwon Woo iam acontecendo e eu já só percebi no final (risos), mas isso era mais da parte dele, e confesso que fico em dúvida sobre o que achar da parte “stalker”, ele a seguiu até o bar, mas também se não fosse isso, o cara teria a levado sabe-se lá deus para onde, e parte dos bilhetes, eu realmente achei muito fofo, socorro deus, estou passando pano?

Como eu disse, a interação entre o a Seo Young e o Kown Woo foi em silêncio, durante quase duas horas, eles não trocaram uma palavra, só no finalzinho do filme. Mas em todo momento, Kwon Woo estava ali para ela, deixou dois bilhetes em sua mesa e pedindo que ela se alegrasse, a protegeu de sair bêbeda de um bar com um cara, ele fez tudo isso sem Seo Young nem perceber. No momento em que ela estava sufocada na sala de reunião, ele apareceu lá limpando a janela e mostrando seu apoio, e no seu momento mais difícil ele também apareceu e escreveu na janela “ANIME-SE”, e eu chorei junto com ela. E claro que ele também apareceu quando ela estava sendo agredida, e a cena foi desesperadora, Kown Woo tentando quebrar a janela para protegê-la. Como eu disse, a história foi contada em silêncio, mas ao mesmo tempo, passando todas as emoções necessárias, o que eu achei bem interessante e o roteiro um tanto diferente.

Minha Nota: 8,5/10

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Eu particularmente gostei do filme, não foi um dos melhores que assisti, mas consegui chorar, e ficar com raiva. Como eu disse, achei o roteiro um tanto confuso e acho que só consegui captar os detalhes porque assisti duas vezes, senão, estaria até agora boiando em algumas coisas, ele demarca bem a passagem do tempo, mas não demarcou a lembrança, que é o essencial para entender o Kwon Goo, o que talvez possa ter deixado o telespectador perdido. O desenvolvimento dele é um tanto lento, mas acho que é o normal para filmes do gênero, e confesso que assistir uma segunda vez foi bem mais interessante, mas nem todo mundo tem esse tempo, e não sei se isso foi uma falha minha ou do roteiro. Vi que a avaliação dele no MDL está bem baixa, não quis ver nenhum comentário para não interferir nos meus pensamentos, mas acho que talvez devido ao elenco de peso, as pessoas esperavam bem mais, o quê? Eu não sei, mas entendo totalmente a perspectiva.

Se me pedissem para falar um ponto negativo, acho que deveria ter explorado mais a história do Kwon Goo e do Jin Soo, para entendermos suas motivações. Fiquei em dúvida de Jin Soo era bissexual ou gay, acho que deveriam ter mostrado mais isso. E sobre a história do Kwon Goo, gostaria que fosse contado como a irmã dele morreu. Mas querer não é poder, né?

Mas no geral, foi uma história legal de acompanhar, sofrer, chorar e se alegrar em silêncio. Durante a resenha, frisei bastante a palavra silêncio, porque como disse, essa é exatamente a sensação que tive, sofrimento em silêncio, e para quem for assistir, saber o que os espera. No mais, recomendo que assistam ao filme e tirem suas próprias conclusões. 


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores originais e não refletem necessariamente a opinião das Coreanas de Taubaté.

Vivian Kelen
Vivian Kelen

Assisto dramas desde 2018 e “para todos os garotos que já amei” me trouxe até esse mundo. Minha missão nessa terra é espalhar a palavra da dramalandia. Meus dramas favoritos são Black Dog e Stove League. E não se esqueçam, amem Stray Kids.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: