21/05/2022

A importância da consistência do roteiro em uma obra

Quando começamos a assistir dramas, nos deparamos com várias histórias, diferentes gêneros etc. Muitas vezes, não damos muita atenção ao roteiro, mas será que já paramos para pensar o quão importante é para uma obra ter uma história consistente? Coesa? 

Antes de falar diretamente sobre isso eu gostaria de apresentar um conceito bem interessante. O conceito de “contrato” que os envolvidos na criação de uma obra estabelecem logo quando ela inicia e que vai ganhando mais consistência ao longo dos episódios. Esse contrato consiste em os produtores entregarem uma história consistente e coesa dentro do que foi estabelecido no começo da obra. Claro que um contrato possui duas partes, então fica a pergunta. Qual é a nossa parte, telespectadores, nesse  “contrato”? A nossa parte é ativar uma coisa chamada “Suspensão de Descrença” que, em tese, é basicamente aceitar algumas coisas que acontecem ao longo de um roteiro mesmo que eles pareçam muito fantasiosos. Isso é bastante comum em obras de ficção científica/fantasia. 

A quebra desse contrato é uma coisa muito ruim, principalmente para nós telespectadores. Imagine a seguinte situação… Estamos assistindo a um drama, o mesmo constrói uma “ideia” no seu início e ao longo dele os personagens vão sendo construídos e vão tendo sua própria evolução pessoal e do nada o/a roteirista muda completamente a forma como a história estava caminhando, desconstrói personagens sem nenhum embasamento e faz um final extremamente corrido. Qual é a sensação que nós teremos vendo um drama assim? Acredito que a resposta seja, enganados e decepcionados, certo?  

Isso tem acontecido com alguns dramas lançados recentemente que se tornou o motivo para eu estar escrevendo esse texto. Dramas como Melodia De Esperança, Start Up… Tem premissas muito boas, todavia pecam muito na construção do seu roteiro e na entrega de coesão e coerência que tanto priorizamos. 

Melodia de esperança é aquele drama super refrescante de assistir com uma história muito bonita de superação e amor, mas no final acaba criando muitos plots desnecessário e o roteiro desconstrói muito o protagonista da série, fazendo-o parecer um personagem totalmente diferente na conclusão da mesma, quebrando totalmente o “contrato” que fez com o público no começo do drama e na construção da personalidade do personagem ao longo dos episódios. O sentimento de decepção com o final desse drama, que não foi nada convencional, resume muito bem o que esse texto representa.

Start Up é outro drama que traz muitas coisas legais ao longo de seus episódios, mas que peca muito na construção de alguns personagens. Fora a “enganação” de roteiro no começo da história, fazendo o público acreditar em algo que mais na frente seria totalmente descartado. Ponto esse crucial para entendemos a importância de o roteiro ser coeso. O sentimento de enganação para o público é um sentimento horrível, faz tudo parecer ruim.

Uma história boa é uma história com início bom, desenvolvimento bom e um final bom. Não existe uma história boa sem cumprir com esses requisitos. Não há meio termo. A tentativa de chocar ou talvez surpreender os telespectadores tem feito muitos roteiristas estragarem histórias lindas com potenciais gigantescos. Por isso que o roteiro é importante, não importa se temos atuações incríveis, trilha sonora boa etc. Se não temos um bom roteiro que guie tudo isso rumo ao sucesso, não temos nada!


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores originais e não refletem necessariamente a opinião das Coreanas de Taubaté.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: