20/10/2021

Resenha: The Good Detective

Nome: The Good Detective/모범형사
Diretor: Jo Nam Gook
Roteirista: Choi Jin Won
Gênero: Ação, suspense, detetive
Rede: JTBC
Lançamento: 06 de julho a 25 agosto de 2020
Idioma: Coreano
País: Coreia do Sul
Onde Assistir: Netflix

Sinopse: Kang Do Chang um detetive justo e diligente. Oh Ji Hyuk está retornando à força após uma licença de um ano e é formado pela Universidade Nacional de Polícia da Coréia. Um homem antipático, que captura criminosos usando seu discernimento aguçado e sua atenção aos detalhes. Os dois se unem para reabrir um caso de cinco anos atrás, quando o veredicto pedia a pena de morte para o assassino Lee Dae Chul. Do Chang foi o detetive que o prendeu e ao revisar o arquivo, ele descobre evidências que iriam inocentar Dae Chul, se colocando então em uma posição comprometedora. Mais evidências são encontradas, após um assassinato recente envolvendo a filha de Dae Chul, O tempo está se esgotando para Do Chang, pois as evidências crescentes ameaçam expor seu erro. Se o veredicto for anulado, Do Chang e todas as partes envolvidas no processo serão responsabilizadas. Encontrando-se preso entre aqueles que buscam o poder e aqueles que buscam a justiça, Do Chang deve confiar em seus princípios orientadores para resolver este dilema ético. Ele escolherá salvar um homem inocente de uma execução injusta ou sucumbir a uma tentação tingida de corrupção?

ESSE TEXTO CONTÉM SPOILERS

OPINIÃO

Comecei assistir The Good Detective por ser um dos meus estilos favoritos, investigação, morte, dor e sofrimento. Confesso que comecei com pé atrás, porque já havia tentado assistir a alguns dramas OCN, mas ela traz muito aquele estereótipo da polícia burra, e eu assisto um drama de investigação para ficar apreensiva com os casos e a história em si, e não ficar indignada com a burrice óbvia da polícia, ou rir de situações que não deveria rir, mas logo no início The Good Detective da JTBC foi uma grande surpresa para mim, até certo ponto.

A trama começou com o assassinato de uma jovem, tinha música tocando que até pensei que seria uma cena diferente. E por esse assassinato, Lee Dae Chul que é interpretado pelo ator Jo Jae Yun, uma pausa para falar o quanto a atuação dele nesse drama foi incrível e me rendeu muitas lágrimas, foi condenado injustamente (falaram tanto o nome desse homem, que eu gravei mais rápido do que o dos protagonistas). 5 anos depois, um homem se entrega à polícia, dizendo que cometeu um assassinato, e a vítima era a filha do Lee Dae Chul, vai em cima, vai embaixo, interrogatório daqui e dali e nada de achar o corpo, acabamos descobrindo que o suposto assassino, estava junto com a filha do Lee Dae Chul e estava querendo provar que ele é inocente, e assim conseguir atrair atenção da mídia.

E no final, mandaram um e-mail para o detetive Kang, com um vídeo que provava o álibi de Lee Dae Chul e consequentemente sua inocência. 

Só pelos dois primeiros episódios, já tinha dado para perceber que quase ninguém prestava nesse drama, a policia encobrindo provas, jornalistas lançado matérias sensacionalistas e só ladeira abaixo.

Esse drama me fez surtar a cada episódio, eu cheguei a fazer uma resenha aclamando esse o dito cujo, mas depois soltei uma retificação, pois eu precisava me sentir em paz e estar com a consciência tranquila de reconhecer que esse drama foi um verdadeiro lixo e eu vou explicar o porquê.

1 – PERSONAGENS

Oh Ji Hyuk interpretado pelo ator Jang Seung Jo tinha um ar todo misterioso, causava na universidade, mudou de companheiro de mês em mês e deixava eles machucados. Um detetive inteligente que sacava as coisas no ar, talvez nem seja tão inteligente, era só um detetive normal, o negócio é que os outros era tão tapados, que qualquer um parecia ser mais inteligente do que eles, bem como o Ji Hyuk disse em uma das cenas, “isso é básico que todo detetive tem que fazer”.

Detetive Kang interpretado pelo ator Kang Do Chang, já está numa certa idade e queria ser promovido, e ficou bem estressadinho quando Ji Hyuk apareceu em sua divisão, pediu para ele fazer o trabalho dele sem alarde, para que nada viesse atrapalhar sua promoção. Só tem um porém, ele foi responsável pelo caso do Lee Dae Chul e até hoje não conseguia esquecer sobre a filha que ficou aos pranto vendo o pai sendo preso, ele que recebeu a prova da inocência de Lee Dae Chul e se viu entre a cruz e a espada sobre o que fazer, porém, decidiu dar a cara a tapa e tocar esse caso para frente e revelar a verdade. Só que o negócio não foi tão fácil assim e acho que nem ele estava preparado para tudo o que vinha pela frente.

O Oh Jung Tae que é interpretado pelo ator Oh Jung Se, veio a esse drama e a este mundo, para nos fazer passar raiva, sou muito fã desse ator, ele não entra em um drama para fazer qualquer coisa, ou ele te mata de raiva, ou te traz para o lado dele, nunca tem meio termo, o tanto de vezes que eu quis matar o personagem dele, não foi brincadeira, o ranço foi elevado a mil de segundo a segundo, meus parabéns ao ator.

A decepção desse drama foi sem sombra de dúvida a Jin Seo Kyung que foi interpretada pela Lee Elijah, me prometeram uma coisa e entregaram outra. No início, ela parecia ser uma repórter diferente, que enfrentava as situações, e queria revelar a verdade, mas depois, se transformou em mais um daqueles que queriam encobrir a verdade para salvar sua pele e o mais engraçado é que o que o pai dela passou por injustiça também, então pensei que ela não ia querer que acontecesse o mesmo com outra pessoa. E quando se tratava de seu chefe, Seo Kyung não queria acreditar de jeito nenhum que ele podia fazer algo de ruim e o defendia com unhas e dentes, e essa situação foi ficando bem chata. Todo mundo via que ele não era uma pessoa inocente, mas ela continuava cega e passando todos os panos possíveis, enfim, acho que foi uma personagem que se perdeu bastante.

2 – ROTEIRO

Como eu disse, nesse drama, ninguém presta, tirando os dois detetives e o squad atrapalhado, exatamente ninguém se salva dali, no decorrer da trama, vimos que como sempre, todo mundo estava envolvido no caso de Lee Dae Chul, promotoria, jornalistas, polícia e pessoas ricas, todos mexeram seus pauzinhos, para condenar alguém inocente, e a cada episódio, você vai ficando mais revoltado ainda, nada dá certo, mesmo tendo todas as provas, sempre aparece algum empecilho e você não sabe até onde seu coração vai aguentar. Acho que se tivesse um a palavra para descrever The Good Detctive até o último episódio, essa palavra seria ódio mortal.

E depois de passar por tanta raiva e tanto ódio, a única coisa que você espera é justiça, certo? Pois esse foi o ponto de grande falha da história.

O grande ponto de desastre desse roteiro foi a passada de pano de algumas situações, e da situação principal que foi o caso do Dae Chul. Como mostrado no episódio 8, as pessoas que estavam por trás da condenação do Dae Chul, conseguiram com que ele fosse executado. A cena foi extremamente triste, ele caminhando para a sala da morte foi impactante, e a filha dele estava assistindo do lado de fora, eu chorei tanto e senti uma dor tão grande que não consigo explicar, e no final de tudo, eu só queria justiça, afinal, uma pessoa inocente foi executada. Mas não foi isso o que o roteiro me entregou, com um simples pedido de desculpas, eximiram o fato de que uma pessoa cometeu um crime que prejudicou (matou) um inocente, e foi até dito nas cenas “ele é inocente e não fez nada”, sendo que por causa da ganância dessa pessoa, uma vida sofreu e foi tirada. Óbvio que foi pedido desculpas e nunca é tarde demais para tentar ser melhor, mas isso, não exime o crime que a pessoa cometeu e muito menos a faz ser inocente. E depois de tudo, o chefe Sang Beom interpretado por Son Jong Hak, fez o que fez, mas no final, ainda saiu como o benfeitor.

Sem contar que o Yoo Jung Seok interpretado pelo ator Ji Seung Hyun, não prestou o drama inteiro, fez o Dae Chul ser executado, matou uma pessoa, mas no final saiu como herói, porque ele se matou para o Jung Tae ser preso e levar a culpa pela morte dele, ou seja, o drama começou como terminou, com uma “acusação injusta”, o Jung Tae era um criminoso e merecia pagar por seus crimes, mas pelos os que cometeu. Foi um fechamento ridículo para um drama que teve um desenvolvimento legal.

Eu só vim ter essa percepção do drama, depois de mais de 6 meses do término, e percebi que foi um drama ridículo, uma pessoa inocente morreu, e no final nem deram a justiça merecida, olha, sem condições.

Fiz esse vídeo para explicar melhor minha indignação com esse drama.

3 – SOBRE A PENA DE MORTE NA COREIA DO SUL

A pena de morte na Coreia do Sul está em “vigor”, mas não se tem execução desde 1997.

A Coreia do Sul realizou suas últimas execuções em 1997, quando enforcou 23 pessoas condenadas por assassinato.

Em 1998, o presidente Kim Dae Jung decretou uma moratória sobre as execuções que existiu até 2012.

No entanto, uma sentença de morte foi proferida em 2018 e 61 pessoas continuam no corredor da morte, de acordo com o Parlamentarians for Global Action (PGA), um grupo com sede em Nova Iorque que defende os direitos humanos, o Estado de Direito e a democracia.

Um projeto de lei para abolir a pena de morte foi apresentado no parlamento da Coreia do Sul em 2015, mas não foi aprovado. Embora o país tenha ratificado o Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos em 1990, ainda não ratificou o Segundo Protocolo Opcional visando a abolição da pena de morte, observou a PGA.

A União Europeia e a Amnistia Internacional escreveram cartas ao Tribunal Constitucional da Coreia do Sul apoiando a abolição da pena de morte.

Uma pesquisa de 2018 da Comissão Nacional de Direitos Humanos da Coreia descobriu que 80% dos entrevistados apoiavam a pena de morte, mas 70% optaram por revogá-la por uma punição alternativa.

A atual administração do terceiro presidente católico do país, Moon Jae In, tem deliberado se a moratória de execução deve ser mantida ou suspensa.

Em 17 de novembro de 2020, a Coreia do Sul votou pela primeira vez a favor de uma resolução das Nações Unidas pedindo a abolição da pena de morte. A Assembleia Nacional do país deve debater o assunto.

“A questão de se abolir a pena de morte é uma questão séria que tem a ver com os fundamentos dos poderes punitivos do estado, então vamos estudá-la cuidadosamente com base em uma análise geral do papel da pena de morte na política criminal, opinião pública e situações internas e externas “, disse o Ministério da Justiça.

Então, por esse fato, eu achei de uma cretinice sem tamanho “ressuscitarem” uma execução, da forma que foi feita, e ainda por cima a pessoa ser INOCENTE, para no final, ainda não darem a justiça necessária.

Confesso que eu ainda achava que teria um plot twist, que no final iriam mostrar que o Dae Chul não foi executado, mas infelizmente não foi isso que aconteceu. Para quem não viu a cena, reitero novamente, foi extremamente sofrida, ele caiu de joelhos e não conseguiu caminhar até a sala e os guardas levantando ele e falando para que tivesse força e caminhasse de cabeça erguida, pois a filha estava vedo tudo do lado de fora. Só de lembrar disso, tenho vontade de chorar novamente.

Essa sou eu chorando igual desesperada, depois da execução do Dae Chul

Fonte: UCAnews

4 – TALVEZ TENHA PONTOS POSITIVOS

Acredito que a melhor coisa desse drama foi squad da equipe dois (só para não dizer que foi ruim por completo), um bando de detetives desajeitados, mas que no final só queriam fazer o bem e aprenderam com seus erros. gostei de terem mostrado um outro lado da polícia. A corrupta, e a outra que quer fazer diferente “não podemos mudar o mundo, mas podemos mudar a vida de uma pessoa”. Acho que se todos pensassem assim, mais casos seriam resolvidos e o trabalho fluiria com mais excelência, claro que não eximi os erros grotescos que eles cometeram, mas acho que nunca é tarde para começar a tentar fazer melhor.

E a química entre Ji Hyuk e Do Chang, foram uma dupla dinâmica com uma coisa bem natural, digna de filme de Hollywood , eles se entendiam sem precisar falar uma palavra, e o Ji Hyuk não tentou forçar nada, só mostrava com os atos dele que o que o Kang fez de errado.

Minha nota: 2/10

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Confesso que The Good Detective me prendeu do início ao fim, foi um plot twist atrás do outro, mas como disse, no final, algumas coisas simplesmente se resolveram e da forma errada, e eu simplesmente odiei, acredito que tudo poderia sim, ser resolvido de outra forma, para nos dar uma sensação de justiça. Como disse anteriormente, acho que foi uma passada de pano geral. Mas acredito que esse era bem a característica do roteirista, visto que algumas situações foram se repetindo constantemente.

Se você me perguntar se recomendo esse drama, eu digo em alto e bom som, NÃO RECOMENDO, mas vai de cada um, né? Não acho que o drama passe uma mensagem legal, apesar da trama em si lhe deixar bem preso. Mas para quem gostou do drama, segunda temporada dele está vindo aí, já foi confirmado pela JTBC e pelo visto, vai ser transmitido pela Netflix.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores originais e não refletem necessariamente a opinião das Coreanas de Taubaté.

Vivian Kelen
Vivian Kelen

Assisto dramas desde 2018 e “para todos os garotos que já amei” me trouxe até esse mundo. Minha missão nessa terra é espalhar a palavra da dramalandia. Meus dramas favoritos são Black Dog e Stove League. E não se esqueçam, amem Stray Kids.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: