20/10/2021

Resenha: Navillera

Nome: Navillera/나빌레라
Diretor: Han Dong Hwa
Roteirista: Hun e Ji Min (webtoon), Lee Eun Mi (drama)
Gênero: Amizade, Família, Drama
Rede: tvN
Lançamento: 22 de março a 27 abril de 2021
Idioma: Coreano
País: Coreia do Sul
Onde Assistir: Netflix

Sinopse: Navillera é baseado em um webtoon de mesmo nome, é um drama comovente, sobre um homem chamado Duk Chul que começou o balé aos 70 anos e um jovem bailarino chamado Chae Rok que se afastou do seu sonho aos 23 anos. Duk Chul, é um carteiro aposentado que decide ir atrás de seu sonho secreto de fazer balé. Na Moon Hee interpreta sua esposa, Hae Nam, que é uma mãe afetuosa mesmo depois que seus filhos já cresceram. Chae Rok, começou o balé tarde, mas tem um talento excepcional. No entanto, ele se encontra sem rumo por causa da dureza da vida real

ESSE TEXTO CONTÉM SPOILERS

OPINIÃO

Digo que sem dúvida nenhuma e sem medo de errar, Navillera foi dos melhores dramas de 2021. Um roteiro incrível com uma história emocionante, que logo no início eu pensei tinha como tema “não deixe para amanhã o que pode fazer hoje, mas se não conseguir, nunca é tarde demais para recomeçar”. Mas no decorrer do drama, foi muito mais do que isso, é uma história de aceitação, superação e principalmente de perdão. Nos últimos episódios eu percebi bastante essa parte do perdão, principalmente com relação aos filhos, eles reconheceram que estavam agindo de uma forma totalmente errada com o pai, e até com relação a própria vida deles.

Navillera foi um drama que me fez esperar ansiosamente cada episódio, e que me deixou no chão, eu sabia o que ia acontecer, mas não estava preparada, e quando finalmente veio a tona o real problema, não consegui segurar o choro e parece que meu mundo caiu!

Procurando o significado da palavra Navillera, achei alguns explicações possíveis, mas todos levam a mesma palavra.

Aparentemente, é do poema de Cho Chi Hun “The Nuns Dance”. E foi criado pelo autor para descrever o bater de asas de uma borboleta, sim. Uma espécie de onomatopeia, eu acho. Está escrito como “나빌레라”. E 나비 é borboleta em coreano.

Mas tem também o livro “Le Papillon des étoiles” de 2006, que aparentemente também foi uma grande inspiração para pelo menos a música Navillera (múscia de lançada em 2016 pelo grupo GFriend).

Navillera é um coreano antigo. Normalmente, os coreanos não a usam, significa bonito com um pouco de suavidade. Na dinastia Joseon, eles usavam a palavra quando assistiam à dança tradicional. 춤 을 나빌레라 하게 춘다. Com isso 나빌레라 é como uma borboleta. Butterfly é 나비 e 레라 está ouvindo, significando bonito. Então, significa bonito como uma borboleta.

Cada um tem uma história sobre a origem da palavra, mas todos concordam que, Navillera significa borboleta!

Como falado no início, este texto contém spoiler, se você ainda não viu o drama, recomendo que veja primeiro e depois leia esta resenha.

1 – PERSONAGENS

Navillera é um drama que tem vários personagens e todos são importantes para a trama, mas nosso ponto chave é Chae Rok e Deok Chul.

Como falado na sinopse, Chae Rok que é interpretado pelo Song Kang, é um jovem bailarino de 23 que descobriu seu amor por balé um pouco tarde, mas como tem talento conseguiu se dar muito bem. Ele passou por poucas e boas, sua mãe morreu e seu pai foi preso por espancar os alunos. Chae Rok então, teve que se virar nos 30 e se dividir entre treinar balé e se sustentar. Sua personalidade é um tanto difícil e ele é extremamente marrento e teimoso, até que um belo dia, seu professor o deixa como responsável para dar aulas ao Deok Chul, um senhor de 70 anos que quer recuperar o tempo perdido e finalmente se dedicar ao balé.

Voltando do enterro de um amigo, Deok Chul que é interpretado pelo ator Park In Hwan, vai parar em um centro de treinamento de balé e se depara com Chae Rok dançando e fica encantado e quer então aprender a dança. Ele entra no local, disposto a conseguir as aulas, depois de muito insistir e passar por praticamente um teste de sobrevivência que ninguém pensou que ele iria conseguir, finalmente tem um sim como resposta e começa aprender balé mesmo que sua família seja contra, então, embarcamos na jornada de Deok Chul e seus desafios na dança.

Imagem

A família de Deok Chul que consiste em sua esposa, filhos, genro, nora e neta, foram os personagens que vieram para abrilhantar a história, a esposa dedicada que fica ao lado do marido, e os filhos que são contra o pai praticar a dança, mas nessa história não há vilões, apenas personagens que ainda não “acordaram” para vida se assim posso dizer, e foi muito bom ver o desenvolvimento de todos, e que mostraram que por mais que tudo desmorone, a família será a prioridade. E confesso que isso me deixou mais apaixonada ainda por esse roteiro.

2 – ROTEIRO

O que dizer do roteiro de Navillera? Foi uma pérola, ícone, memorável, atemporal. Uma história que pensamos que iria ser sobre um senhor que queria aprender balé, e no final iriamos ver a apresentação dele e pronto, mas ali pelo episódio 7 e 8 fomos tombados totalmente e a trama deu uma virada de 360 que fez todo mundo chorar e se desesperar.

Como falado anteriormente, o drama é baseado em um webtoon, não sei se o Alzheimer já era da história principal ou se foi adaptado para o drama, mas algumas coisas já vinham dando pistas do que ia acontecer, só que não pensei que a descoberta ia ser tão dolorosa. Ler com todas as letras “meu nome é Deok Chul e eu tenho Alzheimer” foi uma dor tão grande, que a única coisa que eu consegui fazer na hora foi chorar.

Navillera teve somente 12 episódios, mas foi o suficiente para passar sua mensagem e comover o público de todas as idades, eu sinceramente me pergunto se há alguém que não gostou desse drama, sei que tem o ator modinha do momento e que talvez alguém esperasse um romance ou algo do tipo, mas a história foi muito além disso. Mostrou a amizade improvável de duas pessoas, com vidas e idades totalmente diferentes, mas que se uniram através da dança.

A história do drama foi feita para ser sentida, não foi uma trama para teorizar ou lhe deixar com expectativa (no sentido de ficar pensando no que virá). A cada episódio, você se sentia mais perto de Deok Chul e Chae Rok e amava ver o dia-a-dia dos dois nos ensaios, amizade que desenvolveram, o Senhor Sim sendo empresário de Chae Rok e tentando o introduzir na família, para que ele não se sentisse sozinho, e o cuidado que Chae Rok teve depois que descobriu a doença do vovô. Navillera foi o drama das sensações e emoções.

Para mim, o roteiro de Navillera foi perfeito e sem defeitos, maravilhoso naquilo que se propôs, e supriu todas as expectativas que eu tive assim que li a sinopse do drama, me arrisco dizer que foi muito além daquilo que eu esperava, porque quando comecei o drama, não sabia que a história ia me envolver tanto.

3 – AMIZADE

Como já falei anteriormente, Navillera trouxe uma amizade improvável, porque convenhamos, os jovens de hoje tem pouquíssimo respeito pelas pessoas de idade. Então, acho que foi muito legal mostrarem esse outro lado da história.

Chae Rok tem uma personalidade difícil e marrenta, o que é totalmente compreensível levando em consideração ao que ele viveu, e devido já estar em certa idade e ter aquela ânsia de conseguir algo no balé, já que a carreira de dançarino é passageira e o tempo cobra, mas ao ter Deok Chul como aluno, ele foi cedendo aos poucos e o Senhor Sim foi quebrando toda esse marra dele, outra coisa que achei interessante do roteiro, que não foi uma mulher que fez isso, mas sim o senhor de idade e uma amizade verdadeira.

A amizade dos dois foi uma coisa muito bonita de assistir, deu vontade de entrar na tela a abraça-los, o cuidado do Deok Chul com o Chae Rok, querendo fazer as coisas por ele, para que pudesse se dedicar somente a dança, mantendo um diário sobre o dançarino e acordando-o toda manhã, e se preocupando com a alimentação dele, enfim, cada detalhe que aquecia nosso coração.

E por fim, quando Chae Rok e nós descobrimos que o Deok Chul havia ido parar no estúdio de dança porque havia tido um esquecimento e se lembrou de tudo quando o viu dançar, acho que essa parte foi o que deixou todo mundo aos prantos. Ele então resolveu fazer balé antes que se esquecesse de tudo, queria pelo menos uma vez na vida realizar seu sonho, antes que se perdesse dentro de si.

A luta de Chae Rok entre contar para a família de Deok Chul ou deixá-lo criar coragem para revelar a verdade, e sua preocupação em manter o amigo seguro quando tinha os relapsos de esquecimento, nos proporcionou a cena mais emocionante do drama, que foi o Chae Rok dançando para que o Senhor Sim se lembrasse de quem ele era, não consigo descrever em palavras o quanto aquela cena me quebrou. A neve caindo e o desespero de dele pedindo para Deok Chul se lembrasse do seu nome, foi desesperador e emocionante ao mesmo tempo.

E também tivemos a tão sonhada apresentação dos dois, o lago dos cisnes, a apresentação foi linda e

amei cada momento. Vi alguns comentários falando que queria que eles dançassem mais, mas é complicado não é mesmo minha gente? E como o próprio Song Kang disse, que se concentrou em mostrar expressividade e não tentar aprender passos difíceis, e missão cumprida com sucesso.

Imagem

Enfim, uma das melhores amizades dos dramas e que levarei para sempre, Navillera ganhou um espaço no meu coração, indiquei para todos da minha família porque acho que é um drama que vale cada segundo.

Imagem

“Deok Chul, mesmo que você perca totalmente a memória, quero muito que se lembre de uma coisa. Não se esqueça que você dançava balé e tinha um sonho”.

4 – FAMÍLIA

A família do Deok Chul foram os personagens que trouxeram complemento a história. Acredito que assim como eu, vocês também ficaram com ranço daquele filho mais velho, e sinceramente pensei que iam trazer mais drama, no sentido de ele ser impedimento para o pai, mas o foco não era esse.

Ficou bem claro ao longo do drama, que os filhos jogaram a responsabilidade das dificuldades da família para cima do pai, que a mãe sustentava tudo e que o pai era só um fracassado. O mais velho falou com todas as letras, e o mais novo chegou a dizer que achava que o pai era um homem acomodado, eu fiquei pensando como os filhos podem não saber da trajetória dos pais? Durante o drama foi mostrando todas as dificuldades que o Deok Chul passou e o quanto ele foi guerreiro. Eles apenas viram todas as dificuldades que passaram, e se ressentiram por aquilo. Mas o final de Navillera foi um ato de rendição para todos, quando descobriram que o pai tinha Alzheimer, eles finalmente puderam reconhecer e entender a história do pai.

E confesso que o que mais me surpreendeu foi o Seong San, que estava passando por uma dificuldade enorme no trabalho, e logo pensei que ele não ia nem ligar, mas na mesma hora, ele largou tudo e foi atrás do pai, família em primeiro lugar. E afrase que ele disse “Não importa o quanto você envelheça, sempre será meu maior exemplo. Nunca se esqueça disso”, me fez ficar bastante emocionada, o momento de perdão e reconhecimento dos erros e de quanto ele estava sendo tão injusto com o pai e com ele mesmo.

Imagem

A doença de Deok Chul fez todos tomarem rumo na vida, Seong San estava tão preocupado em não ser fracassado, que estava pressionando a si, a esposa e a filha, mas viu que quando chegamos à velhice, algo pode acontecer e vamos deixar de ter feito aquilo que amávamos, ele jogou tudo para o ar e foi se dedicar ao que amava, ao beisebol. Eu simplesmente amei o final desse personagem. Seong Gwan finalmente decidiu voltar para o hospital, Eun Ho conseguiu achar o que amava, Seung Suk que pediu para que o pai não se internasse porque precisava fazer algo por ele.

Imagem

Por isso que acho esse roteiro teve história de aceitação e perdão, e um enredo que não teve vilões, apenas pessoas que infelizmente precisaram que algo drástico acontecesse para que pudessem perceber que suas atitudes estavam erradas e que de certa forma também estavam vivendo de forma errada, e que talvez não haja amanhã para consertar tudo isso. O que também nos deixa essa mensagem, para amarmos nossa família como se não houvesse amanhã, darmos valor aos nossos pais enquanto eles ainda estão vivos, mais uma vez Navillera sendo um roteiro incrível.

Claro que não posso deixar de lado a Na Moon Hee interpretada pela atriz Choi Hae Nam, que fez o papel de esposa do Deok Chul, a mulher que esteve ao lado dele em todos os momentos, que logo no início não quis aceitar que o marido fizesse balé, mas depois decidiu apoiá-lo “se você quer tanto fazer isso, então vou torcer por você”. Deu um show de atuação, adorei a sacolada que ela deu no filho por falar besteira do pai, os momentos que ela ficava falando do Seung Suk e que tinha que sustentar ele de novo (risos), acolhendo o Chae Rok, colocando o nome dele em um pote de comida, e quando ficou desesperada que não podia ficar doente, pois precisava cuidar do marido. Enfim, uma personagem que abrilhantou ainda mais o drama.

Minha nota: 10/10

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Gostei ainda mais de Navillera, pelo fato de fazer com o que senhor Sim não morresse no final, acho que os telespectadores não precisavam disso, mesmo tendo se passado 2 anos, mostrou ele ali em casa e com a família, e claro que a última cena do reencontro dele com o Chae Rok foi lindíssima.

O drama deixou com um gostinho de quero mais, mas trouxe tudo na medida certa, onde todos os personagens tiveram um desenvolvimento, até o pai do Chae Rok, apesar de não ser mostrado tanto, mas deixou aquela sensação de que ele seguiu com a vida. E o Ho Beom também, o menino que deu um rançozinho no decorrer do drama, mas era uma boa pessoa, só faltava parar com aquela sensação de injustiça e realmente seguir o sonho dele, que foi o que fez, começou do zero e foi atrás de fazer sua vida, e eu fiquei muito feliz que o roteiro mostrou isso, porque demonstra o cuidado com cada um da história e que não são simplesmente aleatórios, mas até eles tem sua função de mostrar algo ao telespectador.

Uma pena que um drama tão incrível como esse conseguiu alcançar só 4% de audiência e isso só no último episódio, e durante a transmissão ficou oscilando entre 2,7 e 3%, enfim, não foi o drama que perdeu nada, quem perdeu foi quem não assistiu. E uma pena mais ainda que não irá concorrer a nada no Baeksang, mas digo que fácil conseguiria entrar na categoria de melhor drama e roteiro.

Já disse e vou repetir, Navillera é memorável e atemporal, se você não gostou, sugiro que assista novamente e preste bem atenção na profundidade desse drama e toda mensagem que ele quer passar.

E é isso, pessoal. Quem assistiu Navillera o que achou? Deixem seus comentários e vamos conversar.

Temos vídeo de Navillera em nosso canal do YouTube, os links vão aparecer aqui embaixo:


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores originais e não refletem necessariamente a opinião das Coreanas de Taubaté.

Vivian Kelen
Vivian Kelen

Assisto dramas desde 2018 e “para todos os garotos que já amei” me trouxe até esse mundo. Minha missão nessa terra é espalhar a palavra da dramalandia. Meus dramas favoritos são Black Dog e Stove League. E não se esqueçam, amem Stray Kids.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: