08/08/2022

Resenha: The Red Sleeve

Ficha Técnica

Nome: The Red Sleeve/옷소매 붉은 끝동
Diretor: Jung Ji In
Roteirista: Kang Mi Kang (novel), Jung Hae Ri
Gênero: Histórico, Romance, Melodrama
Rede: MBC
Exibido: 12 de novembro de 2021 a 1 de janeiro de 2022
Idioma: Coreano
País: Coreia do Sul
Onde Assistir: Viki

ESSE TEXTO CONTÉM SPOILER

Então minha gente, voltei aqui para falar um pouco sobre o que achei de The Red Sleeve. Comecei assistir esse drama por causa de uns gif no Twitter, e simplesmente amei, maratonei 6 episódios em 2 dias, de tão bom que o negócio estava. Até fiz um vídeo de primeiras impressões, segue o link para quem quiser assistir.

Falando um pouco sobre os personagens principais, eu acho que sem dúvida a que mais se destacou ali é que foi a dona desse drama inteiro, foi a Sung Deok Im (Lee Se Young), a atriz entregou tudo nessa personagem. Uma figura feminina de um drama histórico, mas com uma personalidade forte e nada comum para as mulheres da época. Sung Deok Im era uma dama da corte que queria proteger sua “liberdade” e estilo de ser, o que é até um pouco contraditório, já que ela é uma dama da corte e por aí já tiramos que a vida não é dela e ela não tem controle nenhum sobre isso. Mas ela queria nem que fosse o mínimo, nem que fosse seu poder de escolha sobre dizer um não. E eu acho que no final, foi isso que me cansou um pouco nesse roteiro. Explico mais na frente.

E também temos o príncipe herdeiro, Yi San (Lee Junho), ele é uma pessoa cheia de ideais e quer ser um diferente de todos os outros. Quer ter o controle da água, liberar os escravos e governar para o povo, enfim, um reizinho, literalmente. Mas temos um porém, ele se apaixona pela dama da corte, o que poderia ser muito fácil para ele, já que ele é o príncipe herdeiro bonitão, e claro, que mulher não iria querer ser concubina do rei, não é mesmo? Acabou se tornando um desafio, porque ele foi se apaixonar justamente pela Deok Im, Que estava tentando proteger o seu eu a qualquer custo, e o que a gente vê a partir desse “apaixonanento” foi uma guerra entre querer e não querer.

Confira a nossa resenha do drama em nosso canal do Youtube

Como eu falei no início, achei o roteiro um pouco cansativo no sentido de desenvolvimento do romance, logo no início, essa guerra de gato rato deles dois, atiçou muito minha curiosidade, mas pelo episódio 13 eu já só queria que acabasse, e se eles ficassem juntos ou não, não faria diferença nenhuma pra mim. A Deok Im sofreu tanto durante esse drama inteiro, ela foi ameaçada de morte não sei quantos mil vezes, vou jogada pra lá e pra cá, foi usada pelo príncipe herdeiro, pela senhora da corte, pela rainha viúva, pela concubina real, entre outros. E tudo isso acabou se tornando tão cansativo de ver, que continuei só na força do ódio.

Sem contar, toda luta desse homem para ter essa mulher, ele perguntou umas mil vezes se ela o aceitava e toda vez ela respondia que não, até que ele cansou e a expulsou do palácio, e confesso, que a partir desse momento meu final ideal, era ela ter ido viver a vida dela como queria, mas para cansar mais ainda, a bendita da concubina a fez voltar e fez um inferno na vida da Deok Im, confesso que nessa hora, eu já estava quase desistindo e me perguntando por que me presto a esse papel. Até que a bendita tenta incriminar a Deok Im e enfim o Yi San faz alguma coisa, porém, esse foi outro ponto que me deixou meio, desapontada com o drama.

Apesar de tudo isso, eu realmente entendo o lado dos dois, ele que a amava, mas queria respeitar a decisão dela. Porque ele podia fazer qualquer coisa, inclusiva obrigá-la a se casar com ele, mas óbvio que a escolha foi vencer pelo cansaço, literalmente. Eu também super entendo a Deok Im, em um mundo onde ela precisa viver conforme as regras que foram impostas às damas da corte, ela queria ter o mínimo de controle sobre a suas vida, e ela sabia que no momento que aceitasse ser concubina, não teria mais esse controle, e sem contar que um dos motivos principais era o fato do Yi San nunca ser dela de verdade, já que ele é o Rei e o povo é outras coisas vem em primeiro lugar, ou seja, ele só tinha a ganhar, mas ela só tinha a perder.

A Deok Im amava, mas como eu disse acima, sua vontade de controle sobre a vida era mais forte. Tanto que até os os primeiros minutos do episódio 16 ela respondeu que não estava disposta a ser concubina, mas tudo ai redor dela está tão pesado, que ela acabou cedendo, o Yi San a levou para o quarto dele e enfim aconteceu, a Deok Im não tinha nem como escapar, ela já estava lá mesmo, então vamos enfiar o pé na jaca, PARA MIM, os dois finalmente ficarem juntos, não passou apenas de pura pressão, principalmente pra ela, óbvio que a Deok Im o amava, como eu disse, e sim fez a escolha extrema consciente, mas o AO MEU VER, a escolha foi feita por uma cabeça que já estava cansada de lutar. E por isso que se eu pudesse definir o roteiro de The Red Sleeve em uma palavra, eu diria que foi CANSATIVO.

Algumas coisas que deixaram a desejar foi o plot das damas da corte, as manas fizeram um organização para matar o príncipe herdeiro porque elas tinham escolhido o rei que queriam, mas aí acabaram desaparecendo do nada, e eu fiquei “ué?”. A justificativa da dama corte Jo, foi que ela ficou com raiva por não ter sido escolhida como concubina pelo rei Youngjo e por isso fez essa organização para fazer um levante e matar o príncipe herdeiro. Eu fiquei me perguntando se foi ou real, ou apenas uma mentira para ela não falar o que realmente queria. Enfim, eu achei um plot extrema ter interessante, mas que não foi bem trabalhado e no final deixou a desejar, porque não disse nada com nada.

Outro plot que ficou a ver navios foi o do se retardo real Hong Deok Ro, mas que homenzinho rançoso, eu já estava de saco cheio dele, o tempo inteiro fazendo merda e o Yi San só deixando pra lá, na esperança de que ele mudasse, mesmo sabendo que não ia mudar, porque o aquilo ali era uma conta criada. Ele: A, Eu: corta a a cabeça dele! E quando finalmente o Yi San “descobriu” tramóias dele, apenas exilou o cara, ok, que eu queria que mandasse matar porque sou dessas, mas sei lá, ai meu ver, isso ficou muito a desejar. Porém, esse episódio fala bastante sobre a personalidade do Yi San, e o que explica um pouco o final.

Não pensei que ia ter que falar o óbvio, mas The Red Sleeve é um drama e não um documentário,  e ele ainda é a adaptação da adaptação, um livro que adaptou um romance que aconteceu na vida real. Por mais que a história tenha sido baseada em acontecimentos reais, o drama é uma obra de ficção e teve a liberdade de criar sua própria história, então, o que eu estou analisando aqui, não é a história que aconteceu entre um rei e uma da corte na vida real ou o LIVRO The Red Sleeve Cuff, o que estou analisando é o DRAMA The Res Sleeve, e eu não preciso ir atrás da história real ou do livro, para entender o que o drama quis mostrar, senão, ninguém teria que assistir um filme adaptado de livro sem ler o livro antes, a adaptação tem que ser uma história independente que faça sentido.

Os próprios dramas ADAPTADOS de WEBTOON, tem sua própria história, peguemos como exemplo Nevertheless, esse drama foi baseado de uma história de WEBTOON, mas o que aconteceu no drama, foi totalmente diferente do que aconteceu na história do WEBTOON, ninguém precisou ler para entender o drama, porque ele tem sua própria história e adaptação.  

Dito isso, vou falar aqui minha percepção do final do K-DRAMA The Red Sleeve. 

Enfim, chegamos aos finalmente desse drama, que é o que eu explicar o episódio 17, porque por incrível que pareça, muita gente não entendeu. The Red Sleeve, acabou no episódio 16 no momento que ela dá adeus a liberdade dela, e que cena significativa. E no momento também que eles conversam sobre qual seria o nome dela se desse a luz a um menino. Por que eu digo isso? Porque o que passou no episódio 17 foi apenas um sonho, e eu não falo isso porque não quero aceitar o final o algo do tipo, mas realmente foi um sonho.

Pode ter acontecido tudo aquilo que passou no episódio 17 na vida real e/ou no livro? Pode, porque não sei e não fui atras, mas o que o DRAMA The Red Sleeve quis mostrar, é que aquilo que aconteceu no episódio 17 do DRAMA, foi realmente um sonho. Se não concordam, pode me cancelar se quiser, com relação a isso, não posso fazer nada.

O que aconteceu no episódio 17, foi apenas o sonho que ele teve lá pelo minuto 58 do episódio 16, tanto que quando ele levanta e sai, ele diz que não vai amar como avó dele, e vai proteger o seu amor até o fim, e lá na minutagem 1h 23min do episódio 17, ele toca na porta e abaixa a cabeça e volta se lembrar da parte dela morrendo, nisso, o drama deixou bem claro que o que aconteceu foi um sonho.

Lembram que eu falei que o que ele fez com o secretário real diz muito sobre a personalidade dele? Então, o Yi San, jamais ia falar daquela forma com a Deok Im, sabendo que ela estava de luto pelo filho, ele jamais ia dizer para ela se recompor e superar o luto porque tinha que pensar no povo. E o mais importante, ele não iria deixar a amiga dela ser morta, sabendo da importância da Kyung Hee para a Deok Im, ele não mandou matar o secretário real que fez pior, que traiu e conspirou contra a rainha, vocês acham que ele realmente iria deixar a amiga ser morta apenas por ter se envolvido com um homem? Apesar de que sim, ele ser um rei que tenta seguir as regras e ser coerente, mas essa não é personalidade dele, e por isso que depois que ele acordou, olhou para ela e disse que ia proteger o seu amor a qualquer custo. Então sim, o episódio 17 foi apenas um sonho, e eu fiquei muito indignada porque perdi 1h e 40min do meu tempo, passando raiva porque acreditei que aquilo era real, e depois que descobri que era um sonho, fiquei mais indignada ainda, porque o episódio não disse nada, e a produção ainda teve a cara de pau de dizer que iria ter mais um episódio para finalizar a história dos personagens de forma justa, enfim, esse povo não tem nem vergonha. Amei, nota dó.

E a própria roteirista tem noção que fazer a Deok Im morrer depois de todo o sofrimento que ela passou, não seria nem um pouco justo, e principalmente porque a morte dela não teve sentido nenhum. Sou totalmente a favor de dramas com finais trágicos, inclusive, amo quando todo morre, mas a morte precisa ter um sentido, e não apenas simplesmente fazer morrer para chocar ou querer arrancar lágrimas do telespectador, que seria o caso de The Red Sleeve se o aconteceu no episódio 17 fosse real. Isso, não levando em consideração o que aconteceu na vida real, mas o que foi adaptado para a ficção.

E eu acredito que nem os próprios atores sabiam que era um sonho, visto que eles falaram que o final os fez chorar e ficou marcado na memória deles. Enfim, a trolagem, ou eles também trolaram a gente. 😂😂😂

E no mais, foi isso, acho que The Red Sleeve é um drama que vale a pena, sim, acredito que cada um tem que assistir e tirar suas próprias conclusões, não é um drama de todo bom, mas também não é de todo ruim. Porém, se você está lendo essa resenha e ainda não terminou o drama ou não começou e quer saber se vale a pena, recomendo que assista até o episódio 16, porque o 17 não tem importância nenhuma, é apenas perda de tempo e foi feito para quebrar recorde de audiência.

Como eu disse, eu preferia que a Deok Im tivesse ficado fora do palácio e tivesse ido viver a vida dela, mas como ela mesmo disse, a vida é feita de momentos felizes e tristes, e essa vai ser a sua vida de agora em diante, nem sempre feliz, mas também nem sempre triste. E como a própria disse, que na próxima vida, os dois sejam pessoas comuns e que não precisem ponderar sobre ficar juntos ou não. Pois então, Lee Se Young, você e o Junho são pessoas comuns no ano de 2022, NAMOREM 🗣🗣🗣🗣. Uma coisa que não dá para negar é que a química desses dois foi extremamente incrível, que no futuro, eles tenham a chance de trabalhar juntos novamente.

Nota: 8,5/10


Vivian Kelen
Vivian Kelen

Assisto dramas desde 2018 e “para todos os garotos que já amei” me trouxe até esse mundo. Minha missão nessa terra é espalhar a palavra da dramalandia. Meus dramas favoritos são Black Dog e Stove League. E não se esqueçam, amem Stray Kids.

6 thoughts on “Resenha: The Red Sleeve

  1. Ótimas colocações!
    Também entendi que o episódio 17 tenha sido um sonho.
    Realmente podiam ter dado um final melhor depois do sonho.
    A atuação dos 2 principais foram excelentes!

    Obrigada e abraço!

  2. Adorei seu post, estava indignada com as incoerências da série e achei um pouco cansativa. Tinha tudo pra ser uma ótima série,mas na minha opinião deixou muito a desejar.

  3. Sinceramente, eu fiquei aflita do EP 14 em diante, eu não sei se o que senti era raiva ou pena por tudo que a personagem passou.

  4. Eu finalmente achei uma resenha que não super exaltou esse kdrama, porque eu achei que estava assistindo errado rs
    A verdade é que tinha ouvido falar tão bem que só por isso resolvi assistir, mas tb achei a história arrastada e um pouco cansativa. E sobre a “escolha” de Deok-Im, eu acho que ela escolheu o que lhe pareceu “menos pior” porque, venhamos e convenhamos, ser mulher naquela época não era exatamente um passeio no parque. A opção dela era ser dama da corte e nunca poder fazer outras coisas, como constituir uma família, ou ser amante do rei e nunca sequer poder mais sair do palácio. Realmente, duas escolhas que me parecem bem ruinzinhas. Eu penso como vc: no mundo ideal, Deok-Im sairia do palácio e ia viver sua vida, ganhando seu dinheiro lendo e escrevendo e pronto.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: