20/10/2021

Resenha: Run On/Na direção do amor

Título: 런온 / Run On
Diretor: Lee Jae Hoon
Roteirista: Park Shi Hyun
Gêneros: Romance, Vida, Drama e Esportes.
País: Coreia do Sul
Episódios: 16
Exibido: Dez 16, 2020 – Fev 4, 2021
Rede: JTBC / Netflix
Idioma: Coreano
Onde assistir: Netflix e Drama fansubs

Sinopse: O destino une Ki Seon Gyeom, um agente esportivo que desistiu de ser velocista por questões legais, e Oh Mi Joo, uma popular tradutora de filmes. Seo Dan Ah é a CEO de uma agência de esportes e sucessora legítima do Seomyung Group. Por ser mulher, ela não consegue se promover na empresa mas continua lutando arduamente por seus direitos. Lee Young Hwa é um estudante universitário de arte que gosta de cinema e desenho que logo entrará em sua vida. O romance poderia estar nas cartas para esses dois casais?

ESSE TEXTO CONTÉM SPOILERS

OPINIÃO

Run On foi um drama que me surpreendeu de tantas maneiras diferentes. Um roteiro rico que trata questões delicadas de maneira responsável. Alguns dos temas tratados no drama são: machismo, bullying, homossexualismo, etc. Tudo isso foi retratado de forma natural e inserido como algo comum que existe em nosso meio e devemos respeitar. 

1 – PERSONSAGENS

KI SEON GYEOM

Num primeiro momento, a impressão que tive desse personagem é que era sem personalidade e totalmente manipulado pelo pai, que tinha uma estabilidade e não sairia de sua zona de conforto. O que foi me provado totalmente o contrário, o Ki Seon Gyeom tem um forte senso de justiça e usa de todos os meios para que a justiça seja feita. Ele vivia no automático e conforme o que seu pai autoritário ditava, mas após um episódio de bullying sofrido por um colega de treinamento, ele reflete sobre o que realmente quer da vida e começa a ir atrás dos seus sonhos. Tem uma grande transformação ao decorrer do seu relacionamento com a Oh Mi Joo e apesar das dificuldades acredita no amor entre eles e persiste. 

OH MI JOO

Minha personagem favorita do drama, a admiro imensamente por ser alguém forte que não se deixa abater por qualquer um, bem resolvida profissionalmente, com senso de realidade e amor-próprio vem em primeiro lugar. Ela nunca teve uma vida fácil, cresceu sem os pais e é sozinha na vida exceto pela amizade e parceria com sua amiga May com quem mora e trata como família. Numa carreira pouco valorizada, mas com muito amor a sua profissão ela passa por cada situação humilhante e inclusive pelo simples fato de ser mulher, mas ela se mantêm firme e se impõe. É uma profissional muito valorizada até pela amiga que trabalha no mesmo ramo. Se apaixona pelo Ki Seon Gyeom e se depara com muitos obstáculos para vivenciar esse amor, mas nunca se anula para caber na vida dele. 

SEON DAN AH

A personagem que eu menos gostei nesse drama, e achei sem nenhuma profundidade tanto que destoa do roteiro e do que ele se propõe. É soberba e acredita que tudo se compra com dinheiro. Um típico CEO frio e arrogante dos dramas coreanos. Tem problemas familiares e sofre por ser mulher, e apesar de ser mais competente se vê obrigada lutar pelo seu direito para administrar a empresa de seu pai com o seu “irmão mais velho”. Acaba se apaixonando por um jovem pintor que trata como uma de suas posses, mas ao longo da história vê que nem tudo pode estar totalmente sobre seu controle e principalmente quando se envolve sentimentos. Ela é insuportável e ninguém esconde isso dela, apontam o seu jeito arrogante de ser e a tratam a altura para que se ponha em seu devido lugar. No final parece que acaba amadurecendo um pouco com a morte de seu pai. 

LEE YOUNG HWA

Um jovem pintor que tem seu talento reconhecido pela Seon Dan Ah e se envolve amorosamente com ela. Leva a sério o seu trabalho como pintor e não satisfaz os caprichos da Seo Dan Ah com relação a sua arte. Muitas vezes entra em conflito a Dan Ah pela maneira que ela pensa que pode comprar tudo com dinheiro. É uma pessoa muito agradável e um bom amigo para se conviver. Parece ser bem imaturo no seu relacionamento amoroso, mas é muito responsável com os seus estudos e trabalho. 

2 – ROTEIRO 

Um roteiro impecável que foi desenvolvendo ao longo dos episódios todos os personagens. Desde os personagens principais aos personagens secundários tiveram sua história contada do início ao fim. As questões levantadas foram muito bem desenvolvidas como, por exemplo, o homossexualismo que foi retratado de maneira respeitosa e delicada. O personagem Go Ye Joon, é melhor amigo e também apaixonado pelo Lee Young Hwa e guarda esse segredo com medo de afetar o bom relacionamento entre eles, mas no final é abraçado e acolhido por seu amigo que se dá conta de todo sofrimento que ele deve ter passado durante todo esse tempo. O bullying foi abordado de forma bem impactante e realista, os agressores não foram punidos e a vítima foi prejudicada. O Ki Seon Gyeom não conformado com isso tenta mudar esse cenário ao ajudar o seu amigo a alcançar seus objetivos como velocista e se descobre uma fonte de inspiração para os jovens atletas. A personagem May retrata uma pessoa assexual que não se envolve com alguém por mera atração sexual, mas ao se conectar a uma pessoa de outra forma tem um relacionamento normal como qualquer um. As personagens Mi Joo e Dan Ah lutam para ter seu trabalho valorizado e reconhecido, tornando o fato de ser mulher irrelevante quando se trata de competência e profissionalismo. E por último, mas não menos importante e é o que eu mais admiro nesse roteiro são os diálogos bem trabalhados e que trazem uma lição para a vida.

3 – ROMANCE 

O romance entre o Ki Seon Gyeom e a Oh Mi Joo é maduro e saudável com nenhum outro que eu tenha visto nos dramas. O amadurecimento de cada um ao decorrer do relacionamento é visível e o respeito que eles tem um pelo outro e por si mesmo fazem desse casal perfeito. Uma das coisas que mais reclamo num roteiro de drama de romance, é que quando o casal tem os seus conflitos não procuram conversar para se entender e algo tão pequeno vira uma bola de neve gigante enquanto tudo poderia ser resolvido na base do diálogo e isso não acontece entre eles. Na mesma hora eles discutem suas diferenças e pontos de vista até chegar a um denominador comum e tudo ficar bem. 

Apesar de gostar do casal Seo Dan Ah e Lee Young Hwa, eu achei o romance bem clichê com os papéis invertidos. Ela é a CEO fria e arrogante e ele o mocinho que cede (nem sempre) para que o relacionamento funcione.  

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Run On se tornou o meu drama favorito e que vou levar de lição para a vida. Uma das frases que mais amo do drama é “Nunca estive tão cansado de viver, porque eu não estava interessado na minha própria vida, de todas as coisas que amei, por que eu nunca fui uma delas?” E é exatamente essa lição de se priorizar e se amar em primeiro lugar que aprendi com esse drama. Se quer um drama para se apaixonar, passar raiva, se emocionar e refletir esse é o drama perfeito para você. É uma poesia que poucos vão saber apreciar, mas com certeza vale a pena conferir. 

Minha nota: 10/10.

Não deixem de conferir também os vídeos ( Primeiras impressões, Comentários de 50 % e Resenha) desse drama que está disponível em nosso canal. Comentem aqui sua opinião sobre o drama e vamos trocar ideias sobre. 


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores originais e não refletem necessariamente a opinião das Coreanas de Taubaté.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: