06/07/2022

Coluna Thaís Navarro: The Beauty Inside

Parei para pensar! The Beauty Inside: E se a beleza estiver dentro de nós?

*Esse texto contém spoilers moderados sobre o filme The Beauty Inside.

“É pela rachadura que a luz passa” — Wabi-sabi

Nessa semana me deparei com um comentário sobre o drama recém lançado, Chocolate. No comentário uma moça dizia que sentia pena da protagonista, porque só havia homem feio querendo ficar com ela.

Daí a necessidade de falar sobre beleza. Minha intenção não é criticar nem a moça que fez o comentário infeliz e, nem o drama Chocolate. No entanto, senti que precisava falar, escrever, gritar ou qualquer que fosse o método para falar sobre algo que sempre me incomodou no mundo dos dramas: o padrão de beleza irreal e cruel!

Na Coreia do Sul, a aparência é importantíssima e estar dentro do padrão de beleza, determina até mesmo seu grau de felicidade. Na indústria do Kpop isso é ainda mais presente. Não foram apenas 2 ou 3 idols que se submeteram a cirurgias plásticas para alcançar o nível máximo de beleza, já que a forma como nasceram não eram suficientes. Nem vou mencionar a questão do peso, porque não pretendo me aprofundar no assunto, que novamente é irrealista e cruel.

Quem alimenta esse tipo de distúrbio somos nós, consumidores de conteúdo. Uma vez que queremos ditar o que é bonito x feio.

A busca por perfeição e por esse padrão nada mais são do que uma ilusão ou uma corrida para alcançar o vento. Não há contentamento. Não há limites.

Então, será que o amor faz esse tipo de distinção? 

No filme The Beauty Inside, Woo Jin acorda em um corpo diferente todos os dias, independentemente de idade, sexo e nacionalidade. Às vezes, ele é um homem, uma mulher, velho, novo ou mesmo um estrangeiro. Ele é a mesma pessoa por dentro, mas por fora ele sempre é alguém completamente novo. A única coisa que importa em sua vida é a garota que ele ama, Yi Soo (Han Hyo Joo), que conhece seu segredo e o ama de qualquer maneira.

Nesse dilema, o filme nos prova que o amor é capaz de compreender e aceitar a beleza interior de quem se ama.

A lista de atores que fizeram o personagem Woo Jin é imensa e em todos eles notávamos o mesmo Woo Jin, mesmo que por fora não fosse a mesma aparência.

Fato é que nós também mudamos de aparência, daqui a cinco anos estaremos diferentes de quem somos hoje da mesma forma que éramos diferentes há cinco anos. Provando que a aparência em si, não é grande coisa.

E o contrário também deve ser considerado:

Alguém bonito pode não ter muito além da aparência para entregar a outra pessoa, pois “o amor é cego” ?
O amor é sustentado e cresce por causa das ações e emoções envolvidas numa relação. A beleza pode ser uma razão para criar um primeiro contato, mas ela não é capaz de sustentar uma situação mais séria e intensa.

No filme percebemos que quando Woo Jin fica sem dormir para garantir que sua aparência seja a do ator Park Seo Joon, o esforço é até mesmo doloroso e ainda assim não é garantia de solução dos seus problemas.

Como o personagem é designer de móveis, também me lembrei de uma filosofia japonesa conhecida nessa área, chamada Wabi-sabi. Ela representa uma abrangente visão de mundo à japonesa, uma abordagem estética centrada na aceitação da transitoriedade e imperfeição. Esta concepção estética é muitas vezes descrita como a do belo que é “imperfeito, impermanente e incompleto”.

Sendo assim, será que a verdadeira beleza não está nos olhos de quem vê?

* Alguns dos atores que interpretaram Woo Jin foram Yoo Yoon Seok, Kim Joo Hyuk, Chun Woo Hee, Park Shin Hye, Seo Kang Joon, Lee Dong Wook entre outros.

* Um drama com uma temática parecida a do filme foi feito pela JTBC. Nesse caso, prefiro o filme.

* O filme está disponível no Kingdom Fansubs e no Movie Asian Fansub.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: